Polícia prende homens por tráfico de animais silvestres em Arapiraca

Polícia prende homens por tráfico de animais silvestres em Arapiraca

Prisão em flagrante aconteceu em feira livre no bairro Paixão. Operação foi realizada por PM, Ministério Público e IMA.

AL arapiraca img-20141103-wa0002Dois homens identificados como Jose Luis da Silva, 54, e José Alves Filho, 48, foram presos em flagrante por tráfico de animais silvestres em uma operação realizada no início da manhã desta segunda-feira (3), em Arapiraca. A ação faz parte da Fiscalização Preventiva Integrada do São Francisco/Alagoas. A operação foi realizada pelo Batalhão de Polícia Ambiental da Polícia Militar com apoio do Ministério Público e do Instituto de Meio Ambiente (IMA).

Jose Silva será indiciado pelo crime de tráfico de 100 pássaros. Já José Filho pelo ilícito penal de manter animais silvestres em cativeiro. A multa por tráfico de animais é de R$ 500 reais por ave. E se ela for de espécie em risco de extinção, o valor aumenta para R$ 5 mil.

Eles foram presos em uma feira livre localizada na Rua Maurício Pereira, no bairro do Paixão, do município do Agreste alagoano. Centenas de pássaros também foram apreendidos.

A equipe identificou pássaros das espécies João-mago, Canário-da-terra, Azulão, Cam-kão, Papa-capim, Galo de campina, Extravagante, Rolinho fogo-pagô, Sabiá-gonga, Caboclo-linho,Veludo e Jesus meu-deus. Eles foram encontrados presos sob situação de maus-tratos, uma vez que estavam presos em gaiolas superlotadas.

Segundo o tenente Victor Luiz Lopes, do Batalhão de Polícia Ambiental, os pássaros serão levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) para ver quais animais já podem ser devolvidos aos biomas da Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga. “Precisamos identificar quais pássaros estão em condições físicas de serem soltos. Muitos deles estão debilitados. Devolvê-los à mata assim é praticamente condená-los à morte”, disse o coordenador da equipe.

Um dos coordenadores-gerais da FPI do São Francisco, promotor de Justiça Alberto Fonseca, acompanhou a operação. “Ficamos satisfeito com o resultado do trabalho desta manhã, que representou um avanço no combate ao tráfico de animais silvestres. A ação também teve caráter educativo ao mostrar a população que o cativeiro, venda e compra de espécies assim são crimes e resultam em punição aos responsáveis”, destacou ele.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.