Polícia procura identificar quem abandonou gavião em carroceria de carro em Macapá, AP

Polícia procura identificar quem abandonou gavião em carroceria de carro em Macapá, AP
Em uma das patas, o animal não abre as garras e precisa de fisioterapia. Foto: Cetas/Ibama/Divulgação

A Polícia Civil busca identificar quem abandonou um gavião na carroceria de um carro em frente ao Bioparque da Amazônia, em Macapá. O caso aconteceu na sexta-feira (18) e uma câmera de monitoramento da região flagrou quando o animal foi deixado no local (confira no vídeo acima).

VÍDEO: Gavião com sinais de cárcere é abandonado na carroceria de carro em frente ao Bioparque

Primeiro, o veículo faz uma parada na entrada do Bioparque, quem está dentro do carro conversa com um funcionário da instituição, e depois simula que vai embora. Um pouco mais a frente, o carona abre a porta, carrega o animal e o deixa em outro veículo que também estava parado. Em seguida, acontece a fuga.

VÍDEO: Gavião abandonado com sinais de maus-tratos passa por atendimento em Macapá

O ato flagrado pela câmera é considerado abandono de animais, um crime ambiental que pode resultar na pena de detenção de 3 meses a um ano e multa. Após o caso, a proprietária do veículo onde o gavião foi deixado registrou um boletim de ocorrência.

O Bioparque da Amazônia informou que 4 dias antes do abandono um homem já havia tentado entregar na unidade um gavião ferido, mas o espaço não recebe doação de animais silvestres, somente em situações específicas, como o de peixes-boi.

Polícia procura identificar quem abandonou gavião em carroceria de carro na sexta-feira Foto: Reprodução
Polícia procura identificar quem abandonou gavião em carroceria de carro na sexta-feira Foto: Reprodução

Titular da Delegacia de Meio Ambiente (Dema), a delegada Lívia Pontes informou que busca imagens da região do bioparque para identificar o veículo e o proprietário. A intenção é ouvir suspeitos e entender os motivos para o abandono.

“Talvez a intenção tenha sido ajudar o animal. De qualquer forma, seguimos na tentativa de identificação para que ele possa explicar o que ocorreu”, declarou a delegada.

Para colaborar com a polícia, é possível encaminhar informações para identificação de suspeitos através do contato (96) 98148-7378.

O gavião foi recolhido ainda na sexta-feira pelo Batalhão Ambiental (BA) da Polícia Militar (PM) e levado no sábado (19) para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), na Zona Norte da cidade.

Reabilitação

Inicialmente, antes de passar por avaliação especializada, o Bioparque avaliou que o animal tinha parte das penas cortadas e que poderia ser que o animal estivesse sido mantido em cativeiro. Conforme a coordenadora do Cetas/Ibama no Amapá, Mirella Cavalcanti, o animal foi avaliado por veterinário.

“Ele chegou muito fraco, com estado corporal de extrema magreza. Uma das patas não abre direito, não tem a função de fechar. Isso compromete a captura de presas, por exemplo. A gente não constatou que as penas estavam cortadas. As penas estão completas e ele continua no Cetas em recuperação para poder ser encaminhado, se Deus quiser, para a soltura”, disse.

Gavião foi avaliado por veterinário  Foto: Cetas/Ibama/Divulgação
Gavião foi avaliado por veterinário Foto: Cetas/Ibama/Divulgação

O animal abandonado é da espécie Leptodon cayanensis, conhecido popularmente como “gavião-de-cabeça-cinza”. No Centro, o gavião recebe alimentação especial e ainda terá fisioterapia para conseguir reativar as funções das garras de uma das patas.

“No momento ele ainda se encontra em estado crítico, está em observação e cuidados frequentes para que possa se recuperar nutricionalmente e com certa fisioterapia da patinha ver se ele consegue recobrar a função para que ele possa voltar à natureza”, pontuou Mirella.

Animal, quando foi resgatado pela PM  Foto: Bioparque da Amazônia/Divulgação
Animal, quando foi resgatado pela PM Foto: Bioparque da Amazônia/Divulgação

Por Fabiana Figueiredo, G1 AP — Macapá

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.