Polícia resgata 33 animais silvestres dentro de quitinete, em Goiás

Polícia resgata 33 animais silvestres dentro de quitinete, em Goiás
Polícia resgata 33 animais silvestres dentro de quitinete, em Goiás (Foto: Mariana Pinheiro/TV Anhanguera)

A Polícia Ambiental localizou 33 animais silvestres escondidos dentro do quarto de uma quitinete, em Aparecida de Goiânia, Região Metropolitana da capital. A corporação informou que o local apresentava condições precárias para acomodar os bichos, que em sua maioria, estavam dentro de caixas. A suspeita é que eles seriam vendidos no “mercado negro”.

Os animais foram encontrados na quinta-feira (26). São 16 serpentes – entre adultos e filhotes -, nove jabutis, quatro iguanas e quatro aranhas caranguejeiras. Nenhum apresentava ferimento aparente.

“Segundo informações, no local mora um homem que seria dono dos animais. Ele já foi identificado, mas ainda não o encontramos. A mãe dele, que vive no imóvel de baixo, disse que sabia que o filho tinha uma jiboia, mas não essa quantidade de bichos. Acreditamos que eles seriam vendidos ilegalmente”, disse ao G1 o tenente Clayton Martins de Paula.

Não são animais do zoo

Assim que encontrados, os animais foram levados para a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), que investiga o furto de nove serpentes exóticas do Zoológico de Goiânia, avaliadas em R$ 33 mil.

No entanto, após a conferência, foi constatado que não se trata desses animais. “Nenhuma das cobras são as que foram furtadas no zoológico. As que temos lá possuem um microchip. Fizemos a leitura e não é compatível”, disse ao G1 o diretor do parque, Rafael Cupertino.

Polícia resgata 33 animais silvestres dentro de quitinete, em Goiás
Polícia encontra 16 cobras em quitinete em Aparecida de Goiânia (Foto: Mariana Pinheiro/TV Anhanguera)

Foram levadas do zoo serpentes das espécies salamanta, salamanta vermelha, cobra-do-milho, cobra-cachorra e píton. No entanto, entre aquelas resgatadas na quitinete, somente uma guarda semelhança, do tipo cobra-do- milho.

Os crimes foram cometidos no mês de dezembro do ano passado em três eventos consecutivos, num intervalo de uma semana entre eles. Depois de constatar cada um dos delitos, a própria diretoria do zoológico acionou a polícia.

Os bichos encontrados no imóvel serão levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestre (Cetas).

Por Sílvio Túlio

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.