Polícia resgata papagaios, jabutis e cágados do tráfico de animais no interior de Minas

Polícia resgata papagaios, jabutis e cágados do tráfico de animais no interior de Minas
Foto: PRF/Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) resgatou 76 filhotes de papagaios, 119 filhotes de jabutis e dois cágados que estavam sendo traficados na tarde desta quarta-feira em Muriaé, na Zona da Mata mineira. Os animais foram encontrados em fiscalização a um veículo modelo Corsa, no km 707 da BR 116. 

Durante fiscalização, foi verificado pelos policiais que os animais eram transportados em caixas dentro do porta-malas do veículo, sem ventilação adequada. Os papagaios são da espécie Amazona aestiva, conhecida como papagaio-verdadeiro. Os jabutis, que são da espécie jabuti-piranga, e os cágados, da espécie cágado-tigre, estavam em sacos de farelos fechados, também sem ventilação dentro do automóvel. 

Os autores informaram que adquiriram os animais na cidade de Feira de Santana, na Bahia, e que os revenderiam em Resende, no Rio de Janeiro. De acordo com eles, cada papagaio custou R$ 15,00 e cada jabuti e cada cágado R$ 50,00. Os papagaios seriam vendidos por até R$ 3.550,00. Já os jabutis e cágados são comercializados por R$600 por filhote. Caso não fosse a apreensão da PRF, os traficantes poderiam arrecadar até R$ 342.400,00.

O homem que dirigia o veículo já foi detido pela PRF pelo mesmo crime em julho deste ano, quando traficava 1.459 jabutis, nove calopsitas e oito pássaros da espécie cardeal em Leopoldina. Hoje ele e o passageiro foram detidos pelo crime de praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais, além de receptação. 

Em consulta aos sistemas foi confirmado que o veículo possui queixa de furto/roubo, registrada em 21 de fevereiro deste ano e estava com placas clonadas.  

Os autores foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Muriáe. Os animais foram recolhidos pelo Ibama de Juiz de Fora. O veículo foi recolhido ao pátio credenciado.

Fonte: Itatiaia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.