Polícia vai apurar se houve ameaça em vídeo de pai de santo que bebeu sangue de frango

Polícia vai apurar se houve ameaça em vídeo de pai de santo que bebeu sangue de frango
Clemilson Medina deve ser ouvido pela polícia nos próximos dias. (Foto: Reprodução)

Diante de diversas denúncias, a Polícia Civil de Corumbá vai abrir Boletim de Ocorrência para investigar o pai de santo Clemilson Medina, que postou vídeo nas redes sociais onde aparece matando e bebendo o sangue de um frango. Investigação prende esclarecer se o teor do vídeo foi uma ameaça direcionada a alguém.

De acordo com a delegada Tatiana Silva, plantonista de Polícia Civil, na próxima semana o líder religioso deve ser procurado para prestar esclarecimentos. Será apura também, possível crime ambiental por maus tratos.

Tatiana ressalta que o Supremo Tribunal Federal (STF) estabelece como constitucional o sacrifício de animais em cultos religiosos. “Mas vamos averiguar porque ela postou, se houve uma intenção de ameaçar uma pessoa em específico e se de fato isso já ocorreu outras vezes”, comenta.

No vídeo, o pai de santo que se identifica como Viktoria Lorrayna Medina, manda o recado: “Você que trouxe e deixou o frango bem ali, na esquina da minha casa, mas não sabia que lá é amigo daqui, tem o vídeo que prova a sua cara”, comenta.

Depois, pede para outro homem trazer a ave. “Olha o que eu faço com o frango preto que você mandou para mim ó”, avisa Clemilson, antes de cortar o pescoço do frango e beber o sangue do animal na frente da câmera. Por fim, ele ainda torce o pescoço do frango e joga no chão.

O pai de santo diz que quem fez o vídeo não foi Clemilson e sim a “pomba gira Dona Maria” incorporada. Mesmo assim fala que depois “almoçou o frango” sacrificado. “Fiz uma farofa”.

Por Clayton Neves e Adriano Fernandes

Fonte: Campo Grande News


Nota do Olhar Animal: Nenhum abate ritualístico de um animal se justifica moralmente, seja ele relacionado ao candomblé, islamismo, cristianismo, judaísmo ou a qualquer outra religião ou filosofia. Lamentavelmente, o STF decidiu que estes abates são constitucionais, desconsiderando os interesses dos animais. Porém, pelo descrito na matéria, a violência cometida por este raivoso religioso nada teve a ver com ritual. Que a Justiça não permita que ele se esconda atrás da alegação neste sentido.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.