Polícia vai investigar envenenamento de cães em São Jorge D’Oeste, PR

Polícia vai investigar envenenamento de cães em São Jorge D’Oeste, PR
Iscas com veneno foram espalhadas em vários pontos da cidade. Foto: Divulgação.

A reportagem do Jornal de Beltrão esteve ontem em São Jorge D’Oeste e ouviu relatos de moradores sobre o envenenamento de cães que está ocorrendo no município, principalmente durante as duas últimas madrugadas.

A médica veterinária Mariana da Rosa informou que iscas contendo carne moída cozida e veneno, conhecido popularmente como chumbinho, estão sendo deixadas em frente às casas onde há animais domésticos. “O veneno é muito agressivo e, em poucos minutos, o animal entra em óbito.”

Diversos desses papelotes foram recolhidos, os laudos estão sendo preparados, assim como os boletins de ocorrência, para que os responsáveis sejam identificados e punidos. O material será encaminhado à Polícia Civil e ao Ministério Público. Foi identificada a área onde o veneno foi espalhado: três ruas paralelas no centro da cidade. Até ontem à tarde, sete animais haviam sido mortos por envenenamento, e pelo menos mais quatro estavam desaparecidos. “Principalmente os gatos, que tendem a correr e se esconder quando sentem algum perigo, então esse número pode aumentar”, contou Mariana.

Perigo para animais e crianças

Segundo a veterinária, apenas um animal de rua está entre os mortos; todos os demais tinham tutores e comeram o veneno enquanto passeavam pela rua. A recomendação é que todos façam o registro de Boletins de Ocorrência na Polícia. Ela destacou que este veneno poderia ser acessado por qualquer ser, inclusive crianças. “Era carne moída cozida, embrulhada em papel limpo, e qualquer humano ou animal poderia ter acesso a esse veneno.”

Cuidado redobrado

Mariana também recomendou manter os pets dentro de casa e que os tutores verifiquem seus quintais para garantir que não haja veneno espalhado. “Alguém pode jogar dentro dos lotes dos moradores. Se precisar sair com o animal, mantenha uma vigilância redobrada e, se encontrar material suspeito, entre em contato para que possamos recolher as amostras.”

Imagens de Câmeras

Natalyana Eliza Bassegio Silvestrin Porto, presidente da ONG Fucinhos e Patas de São Jorge D’Oeste, alertou a população para tomar cuidado, recolher os animais à noite e verificar se há algo estranho jogado na frente das residências. “Quem tiver câmeras, deve verificar as imagens e nos passar qualquer coisa suspeita, pois já estamos tomando as providências.”

A polícia vai investigar para que os responsáveis respondam por seus atos. “Além dos animais, é importante cuidar das crianças, que às vezes brincam na rua, para que não entrem em contato com essa substância perigosa.”

Segundo ela, a pessoa que preparou as iscas de veneno teve o cuidado de cozinhar a carne, misturar com o veneno, embrulhar em papel e distribuir nas ruas. “Algumas iscas foram recolhidas para análise, mas outras ainda não foram encontradas.”

Crime ambiental

De acordo com a Lei de Contravenções Penais e Lei de Crimes Ambientais (Lei 3688/41, art. 64, e Lei 9605/98, art. 32), envenenar animais é crime, e o responsável pelo ato pode ser enquadrado no crime de Crueldade contra Animais.

Fonte: Jornal de Beltrão