Policial da Virgínia (EUA) acusado de matar o cão da noiva, alegando falso ataque de urso

Policial da Virgínia (EUA) acusado de matar o cão da noiva, alegando falso ataque de urso
Oficial da Patrulha do Departamento de Polícia de Richmond Richard Chinappi III alegou não contestar a acusação de crime de crueldade animal. Foto: Advogado de Powhatan Commonwealth

Um policial da Virgínia fez um apelo depois de ser acusado de atirar fatalmente no cachorro de sua noiva – e depois mentir que ele acidentalmente matou o cachorro enquanto lutava contra um ataque de urso.

Richard R. Chinappi III, um oficial de patrulha do Departamento de Polícia de Richmond, alegou não contestar as acusações de crueldade animal decorrentes do incidente de 19 de outubro na casa do casal, de acordo com o The Richmond Times-Dispatch.

Chinappi, de 27 anos, também se declarou culpado por apresentar um relatório falso à polícia sobre a morte do beagle-hound.

Delegados do Gabinete do Xerife do Condado de Powhatan responderam a uma ligação do pai da noiva sobre um ataque de urso na casa de sua filha, de acordo com um resumo das evidências apresentadas pelo procurador da Comunidade Powhatan, Rob Cerullo.

Quando os policiais chegaram na casa, eles encontraram Chinappi mostrando sinais de intoxicação. Eles encontraram sangue espalhado em toda cozinha e espalhado pelo chão que aparentava “estar semi-limpo”, policiais disseram. Os policiais encontraram lenços de Clorox e uma garrafa de alvejante.

Chinappi disse aos policiais que ele estava no banheiro quando ele ouviu passos da parte de trás do deque. Ele disse que o cachorro começou a latir e ele percebeu que um urso tinha entrado na parte de trás da casa. Chinappi disse que ele pegou sua arma de fogo e atirou no urso antes que ele levasse o cachorro embora.

As autoridades forçaram Chinappi depois que sua história não fazia sentido. Nenhum sinal de que um urso tenha estado ali ou sequer perto de sua casa foi encontrado, embora houvesse evidências de disparos de arma de fogo dentro de casa.

Chinappi então mudou sua história, e disse que um dos disparos ele efetuou contra o urso e atingiu o cachorro, adicionando que ele enterrou o filhote na floresta próxima.

O corpo do cão foi enviado para exame por um veterinário, que determinou que o animal tinha sido baleado “à queima roupa” e que havia um “enorme buraco” no seu corpo com resíduos de munição de espingarda.

Chinappi, que foi contratado pelo departamento em outubro de 2016, foi colocado em licença administrativa depois de sua prisão.

As autoridades da promotoria do condado disseram que o advogado de Chinappi escreveu uma carta para o Departamento de Justiça Criminal da Virgínia informando que seu cliente pretende voluntariamente entregar sua certificação de aplicação da lei.

Ele está agendado para ser sentenciado em 11 de março.

Por Patrick Reilly / Tradução de Fátima C. G. Maciel

Fonte: New York Post

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.