Policial penal investigado por arremessar granada em cachorro é intimado a prestar depoimento em delegacia no Rio

Policial penal investigado por arremessar granada em cachorro é intimado a prestar depoimento em delegacia no Rio
Cachorro, durante o treinamento Foto: Reprodução

Um policial penal, instrutor do Centro de Instrução Especializada (Ciesp), no Complexo de Gericinó, foi intimado pela Polícia Civil para prestar depoimento na próxima quarta-feira, dia 9, às 14h, pela morte de um cachorro num curso realizado no local em fevereiro. O agente é suspeito de ter arremessado, de propósito, uma granada na direção do cão, um vira-lata preto e branco que estava rondando o local das aulas e não pertencia à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). O animal morreu após morder uma bomba. A polícia investiga maus tratos a animal, com resultado morte.

Uma pessoa que não quis se identificar, por medo de represálias, fez a denúncia ao RJ PET, da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, e encaminhou o cachorro morto. Nesta sexta-feira, a subsecretária Camila Costa da Silva comunicou a ocorrência na 11ª DP (Rocinha), para onde levou a carcaça do animal.

A Polícia Civil solicitou, através de três ofícios, imagens das câmeras do Ciesp, e a relação de alunos que participaram do Curso de Armamento, Manuseio e Manutenção. Além disso, também pediu cópia dos autos de processo administrativo que instaurado pela corregedoria da Seap, que também apura o caso.

Os agentes da delegacia da Rocinha levaram o cão morto para realização de exame anatomopatológico no Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman. A previsão é de que o resultado do exame fique pronto na próxima terça-feira, dia 8.

Cachorro que rondava treinamento de policiais penais morre após morder bomba Foto: Reprodução
Cachorro que rondava treinamento de policiais penais morre após morder bomba Foto: Reprodução

Em nota, a Seap informou que o procedimento apuratório foi aberto após o secretário Fernando Veloso tomar conhecimento dos fatos. O coordenador do centro de instrução e o policial penal que teria atirado o artefato no animal foram afastados. “A Seap reitera que repudia e não compactua com maus tratos contra animais e, concluída a investigação, os responsáveis serão punidos administrativa e criminalmente”, acrescentou a secretaria em nota.

Em vídeo do curso postado no Instagram por um dos instrutores do curso mostra o cachorro em meio aos alunos durante o treinamento. Em uma das imagens, o cão corre entre os alunos durante um exercício com armas de fogo. O animal usava uma coleira e seria de um morador da região.

A secretaria informou ainda que há outras duas sindicâncias em curso, conduzidas pela corregedoria da Seap, para apurar outros dois incidentes no curso de formação. A pasta não deu detalhes sobre os casos, que seguem em apuração.

A secretaria informou ainda que há outras duas sindicâncias em curso, conduzidas pela corregedoria da Seap, para apurar outros dois incidentes no curso de formação. A pasta não deu detalhes sobre os casos, que seguem em apuração.

Fonte: Extra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.