Polvos, caranguejos e lagostas podem ser reconhecidos como seres sencientes sob lei britânica após conclusões de relatório do LSE

Polvos, caranguejos e lagostas podem ser reconhecidos como seres sencientes sob lei britânica após conclusões de relatório do LSE
“Polvos e outros cefalópodes têm sido protegidos na ciência há anos, mas não receberam nenhuma proteção fora da área científica até agora.” - Dr. Jonathan Birch Crédito da foto: Polvo. edmondlafoto em Pixabay

Polvos, caranguejos e lagostas receberão maior proteção ao bem-estar na legislação do Reino Unido após um relatório da LSE – London School of Economics and Political Science (Escola de Economia e Ciência Política de Londres) – que demonstra que há fortes evidências científicas de que estes animais têm a capacidade de experimentar dor, angústia ou laceração.

O governo britânico confirmou hoje que o escopo do Projeto de Lei de Bem-Estar (Senciência) Animal será estendido a todos os crustáceos decápodes e moluscos cefalópodes.

Este movimento segue as conclusões de uma revisão independente encomendada pelo governo liderada pelo Dr. Jonathan Birch. A revisão se baseou em mais de 300 estudos científicos existentes para avaliar evidências de senciência em cefalópodes (incluindo polvos, lulas e sépias) e decápodes (incluindo caranguejos, lagostas e lagostins).

O Dr. Jonathan Birch, professor associado do Centro de Filosofia das Ciências Naturais e Sociais da LSE e pesquisador principal do projeto Fundamentos de Senciência Animal, disse:

“Estou feliz em ver o governo implementando uma recomendação central do relatório da minha equipe. Após a revisão de mais de 300 estudos científicos, concluímos que moluscos cefalópodes e crustáceos decápodes devem ser considerados sencientes e, portanto, devem ser incluídos no âmbito da lei de bem-estar animal.”

“A alteração também ajudará a eliminar uma grande inconsistência: polvos e outros cefalópodes estão protegidos na ciência há anos, mas não receberam nenhuma proteção fora da área científica até hoje. Uma maneira de o Reino Unido liderar a questão do bem-estar animal é protegendo estes animais invertebrados que os humanos muitas vezes desconsideraram completamente.”

A revisão também avaliou as potenciais implicações de bem-estar nas práticas comerciais atuais envolvendo estes animais. Ela recomenda que não se retire garras, não se corte, não se realize a ablação dos olhos, não se venda crustáceos decápodes vivos para pessoas não treinadas ou não especialistas, e se opõe a métodos extremos de abate, como a ebulição ao vivo sem sedação. Também inclui sugestões de boas práticas para transporte, sedação e abate.

O Ministro do Bem-Estar Animal, Lord Goldsmith, disse:

“O Reino Unido sempre liderou na área do bem-estar animal e nosso Plano de Ação para o Bem-Estar Animal vai ainda mais longe, estabelecendo planos de trazer algumas das proteções mais rígidas do mundo para animais de estimação, animais de abate e animais selvagens.

“O Projeto de Lei de Bem-Estar (Senciência) Animal fornece uma garantia crucial de que o bem-estar animal é justamente considerado ao se criar novas leis. A ciência agora tem clareza de que crustáceos e moluscos podem sentir dor e, portanto, é simplesmente correto que eles estejam amparados por essa legislação vital.”

Embora os crustáceos e os cefalópodes decápodes tenham sistemas nervosos centrais complexos, uma das principais características da senciência, até agora eles não foram reconhecidos sob o Projeto de Lei de Bem-Estar (Senciência) Animal.

Tradução de Sônia Zainko

Fonte: LSE

O que é senciência

Por que devemos dar consideração moral a seres sencientes em vez de seres vivos

 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.