População de animais selvagens caiu 58% desde 1970, diz estudo

A biodiversidade do planeta vem diminuindo num ritmo alarmante e isso coloca em risco a sobrevivência das espécies e do próprio ser humano.

O alerta está no relatório The Living Planet Report 2016 (Planeta Vivo, em tradução livre), divulgado a cada dois anos pela Zoological Society of London (ZSL) e da organização ambiental WWF .

A população de animais selvagens caiu 58% desde 1970.

Os números mostram que as espécies que vivem em lagos, rios e pântanos foram as que mais sofreram reduções e que, se nada for feito, até 2020 a população de vertebrados estará reduzida a dois terços da atual.

As principais causas desse declínio são a ação direta do homem – incluindo a destruição de habitats e o tráfico de animais silvestres -, a poluição e a mudança climática.

A pesquisa pede mudanças imediatas na maneira como exploramos as fontes de energia e alimento do planeta, proteção da biodiversidade e apoio a modelos de desenvolvimento sustentável.

Sem desculpa

“Está claro que se continuarmos do jeito que estamos, vamos ver o declínio constante dos animais selvagens. Chegamos a um ponto em que não há mais desculpa para seguirmos assim”, disse Mike Barrett, diretor de Ciência e Política da WWF.

Foto: James Forte/National Geographic Creative 
Foto: James Forte/National Geographic Creative

A pesquisa do WWF analisou informações sobre 3,7 mil espécies de vertebrados desde 1970
“Sabemos quais são as causas e o impacto da ação do homem na natureza e nas populações de animais selvagens. Temos que agir agora”, alerta.

O relatório estudou 3,7 mil espécies de aves, peixes, mamíferos, anfíbios e répteis – o que representa 6% do número total de vertebrados existentes no mundo.

Os pesquisadores então analisaram as mudanças no tamanho das populações desde 1970.

O estudo anterior, publicado em 2014, calculava que a população de animais selvagens diminuiria 50% em 40 anos.

Passados dois anos, essa estimativa foi 58% para o período.

Barrett explica que a situação é pior em alguns grupos de animais:

“Vemos uma forte redução especialmente entre as espécies de água doce. O declínio chega a 81% desde 1970 e está relacionado à maneira como a água doce é usada pelo homem e também à construção de represas, por exemplo.”

A população de elefantes africanos diminuiu drasticamente com o aumento da caça ilegal, afirma o estudo (Foto: Beverly Joubert/National Geographic Creative)
A população de elefantes africanos diminuiu drasticamente com o aumento da caça ilegal, afirma o estudo (Foto: Beverly Joubert/National Geographic Creative)

A pesquisa também destaca a situação de espécies como os elefantes africanos – ameaçados pelo aumento da caça ilegal – e os tubarões, alvo da pesca predatória.

Os pesquisadores concluíram que os vertebrados estão diminuindo a uma taxa de 2% ao ano. Se isso continuar, até o fim da década essas populações podem sofrer uma redução de 67% (em relação aos níveis de 1970).

“Mas se as nossas previsões se confirmarem e houver aumento do comércio ilegal de animais silvestres, por exemplo, a queda será ainda pior”, alerta o professor Robin Freeman, chefe da Unidade de Indicadores e Avaliação da ZSL.

“O mais importante sobre esses percentuais é que eles mostram a redução do número de animais em determinadas populações. Não se trata de extinção de espécies. Elas não estão desaparecendo e isso nos dá tempo de fazer algo”, diz.

A boa notícia é que espécies como o urso panda e o tigre de Bengala, que já foram ameaçadas até de extinção, não estão nesta lista.

Metodologia sob questão

Mas a metodologia da pesquisa também foi criticada. O americano Stuart Pimm, professor de ecologia da Universidade de Duke University, nos EUA, vê “furos” nos dados do estudo.

“O relatório traz alguns números importantes, mas outros que são muito, muito imprecisos,” disse Pimm à BBC.

“Por exemplo, ao analisar a origem de certos dados, não é de surpreender que eles venham maciçamente do Leste Europeu. Quando olhamos outras regiões, há poucas informações e os dados se tornam bem mais inexatos. Não há quase nada da América do Sul, da África e dos países tropicais em geral. Ao misturar os dados dessa maneira, fica difícil saber o exato significado dos números.”

Para Pimm, as organizações “estão jogando tudo no liquidificador e anunciando um único número… isso é inútil”.

Mas Freeman, da ZSL, diz que sua equipe conseguiu os melhores dados mundiais possíveis.

“É absolutamente verdadeiro que em algumas regiões e grupos, como o de anfíbios tropicais, temos lacuna de dados. Mas isso é porque não há mesmo informações sobre eles. Acreditamos que nossa metodologia é a melhor possível para calcular a diminuição de populações”, afirma.

“Também é possível que a situação de espécies que não estejam sendo monitoradas seja muito pior.”

2.nov.2015 - O fotógrafo americano Joel Sartore é o fundador do projeto Photo Ark, da National Geographic. A ideia é retratar animais ameaçados antes que eles desapareçam. Um dos exemplos é este tigre-de-bengala, clicado no zoológico americano Alabama Gulf Coast Zoo
2.nov.2015 – O fotógrafo americano Joel Sartore é o fundador do projeto Photo Ark, da National Geographic. A ideia é retratar animais ameaçados antes que eles desapareçam. Um dos exemplos é este tigre-de-bengala, clicado no zoológico americano Alabama Gulf Coast Zoo
2.nov.2015 - Análises sugerem que uma em cada seis espécies do planeta pode ser extinta se nada for feito para enfrentar o aquecimento global. As populações de raposa-do-ártico normalmente variam de ano a ano, mas estudos indicaram que raposas-vermelhas, maiores e mais agressivas, estão migrando para o norte em busca de comida e ameaçando esta espécie. Esta raposa retratada é de um zoológico em Kansas, nos EUA
2.nov.2015 – Análises sugerem que uma em cada seis espécies do planeta pode ser extinta se nada for feito para enfrentar o aquecimento global. As populações de raposa-do-ártico normalmente variam de ano a ano, mas estudos indicaram que raposas-vermelhas, maiores e mais agressivas, estão migrando para o norte em busca de comida e ameaçando esta espécie. Esta raposa retratada é de um zoológico em Kansas, nos EUA
2.nov.2015 - Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem na mesma taxa atual --e as temperaturas aumentarem em quatro graus--, 16% dos animais e plantas serão perdidos, segundo análise feita por Mark Urban, da Universidade de Connecticut, nos EUA. Na foto, um pinguim do aquário de Newport, em Kentucky
2.nov.2015 – Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem na mesma taxa atual –e as temperaturas aumentarem em quatro graus–, 16% dos animais e plantas serão perdidos, segundo análise feita por Mark Urban, da Universidade de Connecticut, nos EUA. Na foto, um pinguim do aquário de Newport, em Kentucky
2.nov.2015 - O eider-de-óculos migra para a costa do Alasca e o nordeste da Sibéria para se reproduzir na primavera, fazendo ninhos perto de lagos. Há informações de queda de 96% desta população no Alasca e, com isso, a importância da pesquisa e conservação deste pato aumentou. Acima, dois destes patos do Alaska Sealife Centre, Seward
2.nov.2015 – O eider-de-óculos migra para a costa do Alasca e o nordeste da Sibéria para se reproduzir na primavera, fazendo ninhos perto de lagos. Há informações de queda de 96% desta população no Alasca e, com isso, a importância da pesquisa e conservação deste pato aumentou. Acima, dois destes patos do Alaska Sealife Centre, Seward
2.nov.2015 - Alguns animais demonstram adaptações de comportamento devido a mudanças no ambiente como aumento de temperatura e diminuição da água. O rato-canguru faz tocas subterrâneas onde é mais fresco durante o dia e sai durante o dia. Acima, a espécie fotografada no zoológico Fort Worth, no Texas
2.nov.2015 – Alguns animais demonstram adaptações de comportamento devido a mudanças no ambiente como aumento de temperatura e diminuição da água. O rato-canguru faz tocas subterrâneas onde é mais fresco durante o dia e sai durante o dia. Acima, a espécie fotografada no zoológico Fort Worth, no Texas
2.nov.2015 - Algumas espécies estão se saindo melhor que outras. A rã-touro-americana é nativa do leste dos EUA, mas se espalhou para quase todos os Estados, exceto Dakota do Norte. Esta rã não apenas come outras rãs mas também compete com outros animais pelo alimento. Este exemplar foi fotografado em Nebraska
2.nov.2015 – Algumas espécies estão se saindo melhor que outras. A rã-touro-americana é nativa do leste dos EUA, mas se espalhou para quase todos os Estados, exceto Dakota do Norte. Esta rã não apenas come outras rãs mas também compete com outros animais pelo alimento. Este exemplar foi fotografado em Nebraska
2.nov.2015 - O projeto Photo Ark já registrou com mais de 5 mil fotos de espécies diferentes. A meta de Sartore é chegar a 12 mil espécies --sempre usando a iluminação de estúdio, com fundos em preto ou totalmente brancos. Este maçarico-grande-de-perna-amarela é do zoológico de Tulsa
2.nov.2015 – O projeto Photo Ark já registrou com mais de 5 mil fotos de espécies diferentes. A meta de Sartore é chegar a 12 mil espécies –sempre usando a iluminação de estúdio, com fundos em preto ou totalmente brancos. Este maçarico-grande-de-perna-amarela é do zoológico de Tulsa
2.nov.2015 - Uma seleção maior de espécies vai aparecer na edição especial de novembro da 'National Geographic' sobre mudança climática. Estes lêmures clicados por Sartore são de um zoológico da Flórida
2.nov.2015 – Uma seleção maior de espécies vai aparecer na edição especial de novembro da ‘National Geographic’ sobre mudança climática. Estes lêmures clicados por Sartore são de um zoológico da Flórida

Por Rebecca Morelle 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.