População denuncia mortes de animais por maus-tratos e envenenamento em Imbituba e Gravatal, SC

População denuncia mortes de animais por maus-tratos e envenenamento em Imbituba e Gravatal, SC

Autoridades investigarão os casos.

Casos de mortes de cachorros e gatos têm preocupado alguns moradores de diversos bairros de Imbituba, os quais suspeitam que a causa seja por envenenamento. Em menos de um mês, dois felinos e dois caninos morreram.

Conforme a imbitubense Claudia Benedet, os envenenamentos têm sido constantes e abalam uma família inteira. “Envenenaram o cachorrinho do meu sobrinho, além dele, outras crianças que adoravam os animalzinhos ficaram arrasadas. Em conversa com um amigo, elogiei o gatinho de estimação que era lindo, e fui informada que o felino também tinha sido morto. Temos que fazer alguma coisa”, pede Claudia.

Em regra, em 90% dos casos de envenenamento e intoxicação o animal morre pela demora em receber atendimento de emergência. Além da agilidade, o tutor não deve oferecer nenhum tipo de comida ou remédio. Em alguns casos, isso pode tornar a situação irreversível.

Mesmo com as possíveis mortes, nenhuma denúncia foi feita ao Ministério Público (MP) ou à Polícia Civil de Imbituba. De acordo com um funcionário do MP, em outros anos havia muitos registros, mas em 2016 não foram oficializadas ocorrências. O diretor da vigilância sanitária do município, Everaldo de Paula, esclarece que em situações de morte por envenenamento e se souberem quem realizou a ação, os tutores dos animais devem registrar boletim de ocorrência.

Em Gravatal, um cão morreu enforcado pela ação de duas moradoras, de 56 e 58 anos, nesta quarta-feira. Elas foram presas por maus-tratos. O tutor do animal, 52, relatou à Polícia Militar que o seu cachorro de estimação fugiu de casa, entrou no pátio de uma vizinha, e comeu algumas plantas.

Desde 1998, a constituição prevê detenção de três meses a um ano por maus-tratos, além de multa, para quem “praticar ato de abuso, ferir ou mutilar” qualquer tipo de animal. Se houver morte, a pena acresce até um terço.

Fonte: Ligado no Sul

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.