Bicho-preguiça vive até 30 anos na natureza, mas no máximo um ano em cativeiro, devido a maus-tratos, isolamento e estresse por causa de turistas - Crédito: Pixabay

Por que fazer selfie com bicho-preguiça é uma crueldade?

Muita gente que ama animais faz fotos com bicho-preguiça durante viagens e passeios justamente porque pensa que não tem nada de mais.

Mas tem. Começo pelo tempo de vida. Na natureza, esses animais vivem entre 20 e 30 anos, em cativeiro, no máximo 1 ano. Quem participa, pagando pela selfie, incentiva que mais bichos sejam escravizados e mortos.

Um vídeo da ONG Proteção Animal Mundial Brasil mostra a crueldade como são retirados da natureza para viverem confinados em jaulas ou acorrentados.

Fora que ele simplesmente odeia que você o pegue para foto. É um estresse para esse animal.

“Sofrem isolamento social, péssimas condições de acesso à água e comida, níveis de estresse super elevados, excesso de sombra ou insolação”, conta João Almeida, gerente de vida silvestre da Proteção Animal Mundial Brasil.

Ele conta que, no caso da preguiça, o animal tem uma dieta super específica com altas chances de desnutrição, se não alimentada corretamente.

Um vídeo chocante no Peru, que acontece sempre no Brasil, mostra como ele é caçado na natureza. Após ser colocado em uma sacola, passa a vida acorrentado para que o turista faça fotos.

Depois de assistir a esse vídeo logo abaixo, veja 8 crueldades no turismo para nunca fazer na vida, como montar em elefantes em Bali, onde os bichos são espancados desde bebê, para “amansar”.

Também jamais compre passeios que mantém animais marinhos em tanques. Se quer ficar próximo e ver estes animais, prefira vê-los na natureza, soltos, onde há empresas que inclusive organizam mergulhos com eles em liberdade.

Não há graça nenhuma em tirar foto com um animal que virou escravo do turismo e vai morrer pela exploração do homem. Siga também o Patas ao Alto, para mais dicas de proteção animal.

Fonte: Catraca Livre

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.