Por que um sobrevivente do Holocausto lidera uma manifestação contra o abate de animais?

Por que um sobrevivente do Holocausto lidera uma manifestação contra o abate de animais?

Por Michael A. Webermann | Tradução de Natália Prieto

No início desta semana, centenas de milhares de pessoas voltaram suas atenções à chocante entrevista do Dr. Alex Hershaft, intitulada ‘Ask Me Anything’ (“Pergunte-me Qualquer Coisa”, em tradução livre), realizada pelo site Reddit. Dr. Hershaft, que se declara um sobrevivente do Holocausto nazista, realizará na próxima quinta-feira (02.10), a 32ª manifestação ‘Fast Against Slaughter’.

US Alex Hershaft hqdefault

A seguir, Dr. Hershaft faz uma reflexão de sua trajetória de trabalho em fazendas de pecuária nos EUA:

“Notei muitas semelhanças entre a forma como os nazistas nos trataram e como nós tratamos os animais, especialmente aqueles criados para alimentação. Entre elas estão o uso de vagões de gado para transporte de madeira bruta e caixas para habitação; o tratamento cruel diante ao iminente abate, a eficiência de processamento e destacamentos emocionais dos autores, e as pilhas de partes do corpo sortidas”.

Ele, no entanto, foi rápido ao refutar a ideia de que estava necessariamente comparando seres humanos aos animais de criação.

“Estou apontando para a convergência e difusão da mentalidade opressora, que permite aos seres humanos cometerem atrocidades indescritíveis em outros seres vivos […] É a mentalidade que permitiu vizinhos alemães e poloneses de campos de extermínio de seguir com suas vidas, assim como nós continuamos a subsidiar a opressão dos animais no caixa do supermercado”.

Em 1976, Dr. Hershaft fundou a FARM – a organização Movimento dos Direitos Animais de Fazenda – e, dois anos depois, como nova forma de protesto, começou a jejuar durante um dia, todos os anos, para aumentar a conscientização sobre a triste experiência de animais criados para o abate. O dia 02 de outubro foi escolhido em homenagem ao aniversário de Mahatma Ghandi, que defendia os animais em suas lutas, e este é o primeiro ano que Dr. Hershaft convidou o público a jejuar com ele. Até agora, quase 10.000 pessoas, de 71 países, já se comprometeram com o ato.

“Ações pessoais, tais como reduzir ou eliminar o consumo de produtos de origem animal, são importantes – mas às vezes uma atrocidade é tão notória que merece um clamor público, até mesmo um sacrifício. Espero que muitos de vocês considerem a ideia de se juntar ao Dr. Alex Hershaft, e dezenas de milhares pessoas, neste ato mundial de solidariedade para com os seres mais abusados e indefesos do planeta”.

Declaração do autor: “Trabalho com Alex Hershaft em uma base regular como o Diretor Executivo da organização FARM.”

Fonte: Huffington Post 

Nota do Olhar Animal: Precioso depoimento de quem viveu tão próximo destas duas realidades, a do Holocausto nazista e a de um abatedouro. E, apesar do Dr. Hershaft evitar a comparação entre seres humanos e os animais não humanos, ela é rigorosamente pertinente no que se refere à senciência e, portanto, à consideração moral similar que devemos a ambos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.