Portugal: Associação de animais de Peniche alerta para más condições do canil municipal

A associação de animais Brigada das Amigas de Peniche (Portugal) alertou, na noite de sexta-feira, a assembleia municipal para as más condições do canil municipal e para a necessidade de transferir os animais para um local provisório.

A presidente da associação, Joana Barata, descreveu à agência Lusa que o canil municipal funciona em instalações municipais, que correspondem a uma cave, onde existe risco de inundação, e que se limite a meia dúzia de boxes, que são “insuficientes”.

Nesse espaço, os animais “nunca vem a luz do dia” e chegam a estar dois cães, de porte médio, numa boxe de metro e meio.

A dirigente adiantou que os animais não comem ao fim-de-semana, nem o canil é limpo, por não haver funcionários municipais ao serviço, motivo pelo qual a associação, recém criada, tem vindo desde há meses a tentar reunir com a câmara no sentido de poder lá entrar para fazer voluntariado, mas sem efeito.

Na assembleia, a associação defendeu a necessidade de a câmara transferir os cães para um local provisório e de equacionar a construção de um novo canil municipal, obrigatório por lei.

Na resposta, o presidente da câmara, António José Correia (CDU) esclareceu que, depois de reunir já este ano com o deputado do PAN (Partido Pessoas- Animais- Natureza) efetuou contactos com diversas câmaras, pedindo-lhes se poderiam receber os animais de Peniche.

Como a resposta foi negativa, levou o assunto à Comunidade Intermunicipal do Oeste, que no dia 17 de março reúne com aquele deputado do Parlamento, pedindo às respetivas câmaras que efetuassem o levantamento das necessidades, para em conjunto encontrarem uma solução.

O autarca mostrou disponibilidade para reunir com a Brigada das Amigas e lembrou que cedeu um terreno à Associação de Proteção de Animais de Peniche (APAP), onde esta está a construir o seu canil, que deverá estar pronto dentro de um ano o município pretende vir a apoiar, beneficiando desta parceria.

A presidente da assembleia-geral da associação afirmou que, pela falta de espaço, os seus membros levam os animais para suas casas, que já estão “sobrelotadas”, limitando a ajuda que a associação poderia dar no sentido de acabar com a existência de animais de rua no concelho.

“Depois de esterilizarmos as cadelas, muitas vezes temos de as devolver à rua quando não encontramos adotantes”, devido à falta de espaço.

Por falta de espaço, muitos cães abandonados vão parar ao canil da Associação JAVA, da Lourinhã, uma das associações onde a Brigada das Amigas faz voluntariado.

A Brigada das Amigas lançou, nos últimos meses, a campanha “Por um canil municipal digno em Peniche” nas redes sociais, conseguindo que centenas de cidadãos publicassem fotos com os seus animais de estimação com aquela frase.

Fonte: Oeste Global / mantida a grafia lusitana original

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.