Portugal: Canil-gatil em Tomar com obras de 100 mil euros para duplicar a sua capacidade

Portugal: Canil-gatil em Tomar com obras de 100 mil euros para duplicar a sua capacidade

O Canil-Gatil Intermunicipal de Tomar, localizado na Zona Industrial – que também serve os concelhos de Vila de Rei e Ferreira do Zêzere – está a sofrer obras de ampliação. O investimento, no valor de 100 mil euros, pretende duplicar a sua capacidade de receber animais abandonados, passando-se das 20 para as 40 boxes.

O vice-presidente da Câmara de Tomar, Hugo Cristóvão visitou recentemente o local e referiu que “este investimento pretende vir a dotar a estrutura de uma maior capacidade e também permitir eliminar o outro canil ainda existente na cidade, junto ao Acampamento do Flecheiro, que além das diminutas condições, está integrado em zona habitacional”.

O investimento, sem financiamento, saiu dos cofres da autarquia.

Com estas obras, a autarquia pretende também vir a separar os animais que são da responsabilidade dos municípios dos que são responsabilidade da APAT – Associação Protetora dos Animais com a qual o município de Tomar estabeleceu um protocolo.

Considera ainda Hugo Cristóvão que deve existir uma articulação entre os veterinários dos vários municípios envolvidos, uma vez que neste momento cabe apenas à veterinária de Tomar gerir e fiscalizar os animais, procedendo ainda à sua recolha seja a pedido, seja por abandono.

Em relação aos números do relatório do canil-gatil intermunicipal de 2017 e que dão conta que, no último ano, foram eutanasiados 21 cães, Hugo Cristóvão explicou ao mediotejo.net que esta medida foi aplicada dentro do que a lei determina – atualmente o abate dos animais só é permitido em situações tipificadas na lei, como seja em caso de doença, de acidente em que o animal esteja a sofrer, ou animais de elevada perigosidade – sendo que a mesma se deve ao estado em que os próprios animais se encontram quando chegam ao Canil.

“A eutanásia é a única medida a tomar quando já nos chegam em sofrimento e para os quais já não havia solução”, justificou.

Em relação à esterilização, que ainda não se pratica, Hugo Cristóvão explica que o processo será feito apenas nos cães ou gatos que venham a ser adotados.

“Não temos, nem Tomar nem a generalidade dos municípios, ainda meios para o fazer”, disse ao mediotejo.net, acrescentando que se está a tentar encontrar soluções para se proceder a este processo que comporta inúmeros custos.

O Canil-Gatil intermunicipal de Tomar chegou a servir concelhos de Tomar, Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Ourém e Vila Nova da Barquinha, sendo que estes dois últimos concelhos já não fazem parte do mesmo. Em Ferreira do Zêzere, a autarquia está neste momento com um problema relacionado com duas matilhas de animais que está a tentar capturar.

Por Elsa Ribeiro Gonçalves

Fonte: Medio Tejo / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.