Portugal: duas aves alvo de tentativa de abate a tiro ingressaram no RIAS numa só semana

Portugal: duas aves alvo de tentativa de abate a tiro ingressaram no RIAS numa só semana
Milhafre-preto a voar no túnel de recuperação.

Duas aves de rapina, que foram alvo de tentativa de abate a tiro, ingressaram no RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens numa só semana. Tratou-se de um milhafre-preto (Milvus migrans) e de um açor (Accipiter gentilis). Só o milhafre se salvou.

Segundo o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens que funciona na Quinta de Marim (Olhão), o milhafre-preto (Milvus migrans) foi encontrado em Salir e transportado até ao RIAS pela equipa SEPNA/GNR de Loulé.

Radiografia ao milhafre-preto.

Além de duas fraturas antigas, a equipa veterinária encontrou três projéteis de caçadeira (dois no cúbito esquerdo e um no costado direito) alojados no corpo da ave.

O milhafre já se encontra no túnel (instalação exterior com cerca de 50 metros), onde irá recuperar a condição física, realizando fisioterapia diariamente, e onde lhe será fornecido alimento adequado.

Nessa mesma semana, encontrado por Sapadores Florestais, ingressou no RIAS um açor (Accipiter gentilis) proveniente da freguesia de Vaqueiros, concelho de Alcoutim. Durante o exame físico, foi possível observar uma fratura exposta no metacarpo direito.

Suspeitando de tiro, a equipa veterinária realizou um exame radiológico, onde se observaram de facto três projéteis no corpo da ave.

Pelo ferimento, estimou-se que tivesse sido atingido cerca de cinco dias anteriores ao seu ingresso, o que terá causado a debilidade extrema em que se encontrava e, infelizmente, conduzindo à sua morte.

O RIAS relembra que o abate a tiro é um crime contra a natureza e que estas são espécies protegidas pelo Decreto Lei 49/2005.

APOIE O RIAS

Se quiser ajudar o RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens na sua missão, pode apadrinhar um animal em recuperação, pode ser voluntário, ajudar na angariação de materiais (alimentação, material clínico, de cozinha, de limpeza, informático) ou ainda fazer um donativo.

A sua ajuda será um apoio importante para a manutenção e melhoria do funcionamento do RIAS, que terá o maior gosto em manter os seus apoiantes informados acerca das atividades desenvolvidas no centro de recuperação, bem como de outros projetos nos quais o RIAS participe.

Fonte: Sul Informação / mantida a grafia lusitana original 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.