Portugal: Estudantes colocam ponto final na garraiada da queima das fitas na Academia do Porto

Portugal: Estudantes colocam ponto final na garraiada da queima das fitas na Academia do Porto

A justificação oficial para a medida tem a ver com a “cada vez menor adesão dos estudantes” a esta tradição, que remontava a 1948.

“O ano passado foram 1000 os participantes na garraiada, isto num recinto, a Praça de Touros da Póvoa de Varzim, que tem capacidade para 5000 pessoas. De edição para edição o número tinha vindo a decrescer, o que demonstra o desinteresse da população universitária”, explicou ao Porto24 Tomé Duarte, representante do Magnum Consillium Veteranorum (MCV) da Academia do Porto, órgão que reúne os conselhos de praxe.

O fim da garraiada era questão que há muito vinha a ser discutida no seio da Federação Académica do Porto (FAP). E com polémica.

O Porto24 sabe que a medida esteve próxima de avançar em 2015, quando as 25 associações de estudantes que compõem a FAP realizaram assembleias gerais específicas para discutir esta matéria e a continuação da garraiada venceu por curta margem (13 associações votaram favoravelmente a manutenção do evento na programação da Queima, 12 decidiram contra).

Daniel Freitas, presidente da FAP, admite que a garraiada “sempre foi um tema fraturante” dentro da academia, que motivou diversas “discussões acesas”.

“A FAP sempre deixou a decisão sobre a realização, ou não, da garraiada nas mãos das associações de estudantes. Se estas concordassem maioritariamente com o fim da sua realização, respeitaríamos. Caso resolvessem o contrário, apoiaríamos”, referiu Daniel Freitas ao Porto24.

Nas últimas semanas circulou na internet um abaixo-assinado a pedir o fim da garraiada. Organizado por Joana Rocha e Sónia Marques, estudantes do curso de Bioengenharia da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, o documento clamava para um “mudar de atitudes”.

“Não é aceitável que em pleno século XXI haver uma votação para se decidir se se há-de magoar psicológica e fisicamente um ser vivo senciente, que sente dor e medo como qualquer humano”, explicaram ao Porto24 as autoras do abaixo-assinado.

A Queima das Fitas do Porto realiza-se este ano entre 1 e 8 de maio.

Por Pedro Emanuel Santos

Fonte: Porto 24


Nota do Olhar Animal: A garraiada é um tipo de corrida de touros (garraios) e a “queima de fitas” é uma semana acadêmica em que ocorrem vários eventos. Mais uma tradição vai sendo banida, como devem ser todas as tradições que causam danos a terceiros. No caso, causam danos torturantes aos animais. Que seja o começo da construção de uma tradição de respeito aos animais que, esta sim, seja perene.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.