Prefeitura de Abre Campo (MG) afirma que não houve maus-tratos a cães e contesta acusações

Prefeitura de Abre Campo (MG) afirma que não houve maus-tratos a cães e contesta acusações

Imagens divulgadas nas redes sociais na última semana têm gerado revolta em moradores da cidade de Abre Campo, na Zona da Mata. A Prefeitura da cidade estaria recolhendo cães de rua em um caminhão e levando para o lixão da cidade que fica a cerca de 3km do centro. Em nota, a Prefeitura de Abre Campo afirma que não houve maus-tratos a animais e que, na verdade, o cachorro foi recolhido depois atacar moradores, inclusive uma gestante. A nota oficial está ao final do texto.

Nas imagens é possível ver cachorros amarrados no caminhão e também soltos no meio do lixo. Um vídeo mostra uma moradora chorando pois um cachorro comunitário que vivia no bairro foi recolhido e levado.

“No último dia 12 de fevereiro começou a circular no Whatsapp fotos que denunciam maus-tratos e animais jogados no lixão e fomos apurar e descobrimos que era em Abre Campo, quando entramos em contato com o órgão responsável pelo recolhimento dos animais, nos foi informado que um dos cães havia mordido alguém e por isso foi buscado, mas não faz sentido, vocês resgata um animal da rua e joga no lixo?”, afirmou Vicente Define, diretor da Cão Sem Dono, entidade protetora dos animais que publicou a denúncia.

Define diz que pessoas foram ao local para onde estão levando os animais e segundo o ativista as condições são ruins, e é nítido os maus-tratos.

“Os animais estão no meio do lixo, outros estão amarrados em um local fechado, sem água e sem comida”, afirma.

Segundo ele, infelizmente, o caso de Abre Campo acontece em outras cidades do país. Para Define, isso é fruto de uma não campanha castração.

“As prefeituras não implantam uma campanha de castração para evitar que mais animais nasçam e sejam abandonados na rua”, afirma o ativista.

Ele ainda faz um apelo para que a Prefeitura de Abre Campo retire os animais do lixão e faça uma campanha de adoção.

“Precisam resgatar esses animais e façam eventos de adoção. E que a prefeitura peça apoio da população para que esses animais consigam ter um lar. São cerca de 20 animais que a gente espera que tenha um destino mais digno do que o lixo”, ressaltou Define.

Repercussão

Logo que o caso se tornou público, vários internautas rechaçaram a Prefeitura em suas redes socais.

“Como uma prefeitura faz isso com os animais? Isso é um exemplo de péssima gestão de um prefeito. Claramente despreparado para o cargo pois se tem coragem de fazer isso imagina o que mais não deve fazer. Queremos respostas sobre os animais. São vidas. Isso é crime”, disparou uma internauta.

A professora e também ativista dos direitos dos animais, Duda Salabet, que foi candidata ao Senado pelo PSOL nas últimas eleições, publicou em sua conta no Instagram a denúncia contra a cidade.

O deputado Osvaldo Lopes publicou um vídeo informando que entrou com um pedido no Ministério Público para que se investigue o caso. O parlamentar informou, na gravação, que entrou em contato com o prefeito de Abre Campo, Márcio Nogueira (PT), mas não obteve respostas.

Nota da prefeitura de Abre Campo

A Prefeitura de Abre Campo enviou nota, no início da noite, para manifestar-se a respeito de comentários feitos nas redes sociais a respeito do que considerou fatos isolados e que indezm a falsa impressão de maus-tratos aos animais.

Segundo a nota do município, “o setor de saúde e epidemiologia do Município, vinha recebendo diversas denúncias de cachorros atacando populares” nas ruas da cidade. Um dos casos, aponta, é uma grávida, atacada por um cão e que foi atendida no pronto atendimento do município, com lesões provenientes desse ataque, o que representou risco tanto para ela, quanto para o feto. A mulher foi submetida a quatro doses de vacina antirrábica.

A nota continua informando que, “diante deste fato, e de outros ataques reiterados deste animal contra outros populares, foi determinado que se retirasse esses animais da rua, tendo sido, levados, na verdade não para um lixão conforme noticiado, mas sim, para uma área especifica da Usina de Triagem e Compostagem de Lixo, próximo inclusive à casa onde os colaboradores realizam as refeições e descansam”.

Ainda explica a Prefeitura que o “referido animal foi apenas amarrado de forma apropriada e adequada, sem maus-tratos, apenas para fins de coletar material e verificar se referido animal estaria acometido de doenças de natureza contagiosa e enfim promover os atos necessários ao enfrentamento de tal situação, junto ao serviço de zoonose”.

Outra explicação importante do Município é que “o transporte foi feito no caminhão da prefeitura, único veiculo disponível no momento; mas, desde já ponderamos que eventuais excessos serão apurados como de praxe pela administração publica municipal”.

Ao final, a nota registra que a cidade de Abre Campo não possui lixão, tampouco tem a cultura de maltratar animais, repudiando, todo e qualquer ato desta natureza. A nota é acompanhada do relato médico da paciente atacada pelo cachorro.

No início da noite, a Polícia Civil informou que instaurou inquérito para apurar a situação.

Leia a íntegra da Nota Oficial

Nota Oficial

A Prefeitura Municipal de Abre Campo, Estado de Minas Gerais, vem a público, manifestar-se a respeito de comentários feitos nas redes sociais, acerca de fato isolado, que induz na falsa impressão de maus-tratos aos animais E, para tanto, edita a presente manifestação.

Na verdade, constata-se que o setor de saúde e epidemiológica do Município, vinha recebendo diversas denúncias de cachorros atacando populares na via pública municipal; e, confirmando esses ataques, de se registrar, QUE UMA VITIMA EM ESTADO AVANÇADO DE GRAVIDEZ. FOI ATACADA POR UM CACHORRO, SENDO ATENDIDA NO PRONTO ATENDIMENTO. COM LESÕES PROVENIENTES DOS ATAQUES, QUE REPRESENTOU RISCO TANTO A GESTANTE QUANTO AO FETO. TENDO SIDO A GESTANTE SUBMETIDA A QUATRO DOSES DE VACINA ANTIRRABICA.

Diante deste fato, e de outros ataques reiterados deste animal contra outros populares, foi determinado que se retirasse esses animais da rua, tendo sido, levados, na verdade não para um lixão conforme noticiado, mas sim, para uma área especifica da Usina de Triagem e Compostaqem de Lixo, próximo inclusive à casa onde os colaboradores realizam as refeições e descansam; portanto, referido animal foi apenas amarrado de forma apropriada e adequada, sem maus-tratos, apenas para fins de coletar material e verificar se referido animal estaria acometido de doenças de natureza contagiosa e enfim promover os atos necessários ao enfrentamento de tal situação, junto ao serviço de zoonose.

Por derradeiro, registramos que o transporte foi feito no caminhão da prefeitura, único veiculo disponível no momento; mas, desde já ponderamos que eventuais excessos serão apurados como de praxe pela administração publica municipal.

Registramos que a cidade de Abre Campo/MG não possui lixão, tampouco tem a cultura de mau tratar animais, repudiando, todo e qualquer ato desta natureza; no mais, deixamos registrado que acompanha este ato de resposta, atestado médico que comprova o ataque à popular na 28ª semana de gravidez, conforme autorização da mesma, tudo para os fins de comprovações.”

Por Franco Malheiro, Jornal O Tempo

Fonte: Caparaó (com informações atualizadas com a Nota Oficial da Prefeitura de Abre Campo)

Cachorros de rua são recolhidos por caminhão da prefeitura e despejados em lixão de Abre Campo, MG

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.