Prefeitura de Campo Grande (MS) vai criar subsecretaria para gerenciar UPA para cães e gatos

Prefeitura de Campo Grande (MS) vai criar subsecretaria para gerenciar UPA para cães e gatos
Nova estrutura deve garantir direitos dos animais. - Foto: Álvaro Rezende/Arquivo/Correio do Estado

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), enviou nesta segunda-feira (16) para a Câmara Municipal projeto de lei que cria a Subsecretaria do Bem-Estar Animal. A nova estrutura vai ficar responsável pela Unidade de Pronto Atendimento Veterinário (UPA-VET).

Será responsabilidade da subsecretaria aplicar políticas públicas para dar mais qualidade de vida à população de cães e gatos da Capital. A pasta também poderá estabelecer parcerias para o desenvolvimento de projetos, programas e ações, com órgãos e entidades municipais e estaduais, universidades e organizações governamentais e não governamentais.

Desde 2017, a cidade conta com o Conselho Municipal de Bem-Estar Animal (Combea) e o Fundo Municipal de Bem-Estar Animal (Fumbea). Esse conselho foi implantado com a finalidade de estudar e propor diretrizes para a formulação e implantação da Política Municipal de Proteção e Defesa dos Animais buscando condições para defesa, proteção, dignidade e direitos dos animais nativos, exóticos, selvagens ou domésticos, propondo acompanhamento e promovendo a execução de políticas públicas que levem a convivência harmoniosa com os humanos.

UPA VETERINÁRIA

Em novembro, o Correio do Estado noticiou que a prefeitura vai construir uma UPA para cães e gatos. Lançado em 2012, pelo então prefeito Nelson Trad Filho, o projeto passou por alterações e, segundo o atual chefe do Executivo o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) deve receber a estrutura para reforçar o atendimento.

Segundo Marcos Trad, como não foram obtidas verbas federais para a construção da unidade, a prefeitura aplicará recursos próprios no CCZ. “Aguardamos as emendas de Brasília. Não vieram. Então estamos readequando o CCZ e vamos abrir lá uma ala”, disse ao Correio do Estado.

Ainda não há custo estimado para a reforma, já que o projeto está nas primeiras fases de elaboração. “Faremos com recursos próprios, mas não sabemos ainda quanto, porque estamos terminando algumas adaptações no projeto”, justificou, apontando que essas mudanças vão garantir o pleno atendimento aos animais.

Trad garante que em 2020 entregará tudo. “Acreditamos que, no primeiro semestre, nós entregamos”, frisou. Também está prevista a mudança na estrutura do CCZ, com reforço no atendimento.

Por Adriel Mattos 

Fonte: Correio do Estado 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.