Prefeitura de Itajaí (SC) lança campanha para preservação de capivaras

Prefeitura de Itajaí (SC) lança campanha para preservação de capivaras

Segundo Famai, pelo menos três animais morrem por mês na cidade. Entidade vai colocar novas placas que sinalizam travessia deles nas ruas.

SC itajai capivara1oglobo

A Fundação de Meio Ambiente de Itajaí (Famai) lançou uma campanha de conscientização para preservar as capivaras que habitam a região. Há poucos dias, um animal apareceu morto na calçada da Avenida Beira-Rio, a principal via da cidade. A capivara teria sido atropelada.

De acordo com dados da Famai, pelo menos três capivaras morrem por mês na cidade. É mais difícil encontrar as capivaras durante o dia, já que o animal tem hábitos noturnos. Em Itajaí, elas ficam na região do Saco da Fazenda, na beira do rio Itajaí-açu, onde costumam se alimentar. Na parte da noite, normalmente saem em direção ao asfalto.

A entidade vai colocar novas placas que sinalizam a travessia do animal silvestre nas principais vias da cidade. Além disso, a Fundação tem promovido palestras nas escolas e alertado moradores em relação aos maus tratos. “Há muitas delas machucadas e agressão com pauladas. Então, a gente está tendo várias chamadas realmente de animais sofrendo devido ao ser humano estar agredindo esses animais”, disse a fiscal Cristina Freitas.

Na cidade, são mais de 200 capivaras, de acordo com o último levantamento feito pela Famai. Conforme a entidade, com a cheia registrada na semana passada, o número de animais deve aumentar ainda mais.

“Nós temos o problema do grande número de capivaras que nasce aqui, porque tem bastante alimento, e ainda com as que vêm de Blumenau, Ilhota, Gaspar. Elas vão descendo e, chegando na faz do rio, não tem mais para onde ir e elas permanecem em Itajaí”, explicou Roberto Pereira, de Defesa Animal da Famai.

Fonte: G1

Nota do Olhar Animal: Enquanto algumas prefeituras vergonhosamente agem para exterminar as capivaras, a de Itajaí dá este belo exemplo, lançando uma campanha em defesa destes animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.