Prefeitura de Londrina (PR) quer castrar cães e gatos de beneficiários do Bolsa Família

A Prefeitura de Londrina quer contratar uma clínica veterinária para oferecer um serviço de castração para cães e gatos dos beneficiários do programa Bolsa Família. A chamada pública, para a contratação da clínica, foi divulgada nesta terça-feira (23) pela atual administração.

A ação vai auxiliar no controle da população destes animais em Londrina. A previsão é de que, aproximadamente, 2 mil animais entre cães e gatos sejam castrados.

O projeto prevê, além da castração, o fornecimento de vermifugação, vacinação e a identificação eletrônica dos animais por meio da aplicação de microchip. Com ele, será possível a obtenção de dados que relacionam o animal ao seu guardião, através de um número único. “Com isso, espera-se dificultar o abandono de animais, pois a pessoa poderá ser responsabilizada por práticas de maus tratos a animais”, explicou o veterinário da Vigilância Ambiental do município, Alessandro Caseri.

De acordo com Caseri, o projeto é importante, pois muitos donos deixam seus animais soltos, aumentando os índices de proliferação progressiva. O interesse é diminuir o número de animais abandonados nas ruas, em Organizações não Governamentais (Ongs) e também diminuir os riscos de transmissão de diversas doenças.

A realização dos serviços da Campanha de Controle de Populações de Cães e Gatos será em clínicas ou hospitais veterinários particulares, credenciados junto a Prefeitura, sem caráter de exclusividade. O período de duração do projeto é de um ano, porém, de acordo com Caseri, poderá ser prorrogado por mais um ano. O trabalho é destinado àqueles que não têm condições de realizar a castração de seu animal em clínicas particulares. “O projeto foi aprovado para pessoas que recebem o Bolsa Família, pois elas raramente terão acesso à castração paga de seus animais. É um procedimento eletivo e o animal não corre risco de vida caso não a faça.”

Quem se interessar deve possuir documento de identificação, cartão do Bolsa Família e comprovante de residência para realizar o cadastro. Mais informações pelo telefone 3372-9407 e a chama pública completa pode ser acessada o Jornal Oficial do Município nº 2.532, publicado hoje no portal da prefeitura.

Fonte: Bonde

Nota do Olhar Animal: Priorizar os animais tutelados por famílias de baixa renda é uma boa medida, porém há dois problemas na proposta indicada. O primeiro é que nem todas as famílias de baixa renda recebem o Bolsa Família, o que já restringe o alcance da ação mesmo entre os cidadãos em condição econômica menos favorecida. Além disso, excluir os demais animais, sob a responsabilidade de pessoas em melhor situação econômica, é um enorme erro estratégico. É partir do princípio de que as pessoas deixam de castrar seus animais exclusivamente pela falta de dinheiro, o que não é verdade. Isto ocorre pela falta de conscientização e sensibilização (o que demanda uma ação educacional antecedendo a campanha), como também por não se facilitar o acesso à cirurgia (descentralização). Se esta proposta da Prefeitura de Londrina faz parte de um projeto maior (não indicado na matéria), que preveja e corrija este problema, ótimo. Se ela se resume a esta ação, não terá impacto na população de cães e gatos, ainda que para cada animal castrado haja benefícios (de saúde e comportamentais). Mas para o controle populacional o “pouco” é bem próximo do “nada”, diante do fato de que a procriação de cães e gatos se dá em progressão geométrica. Se o programa de esterilização não tiver um caráter exaustivo, com um planejamento geográfico da ação,  atingindo a maior parte da população animal e permitindo o acesso fácil ao serviço, de pouco adianta. Seria interessante a Prefeitura de Londrina tornar público o estudo em que se baseou para dimensionar e elaborar as estratégias desta campanha.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.