Preguiça é resgatada com vida após receber descarga elétrica em RO

Preguiça é resgatada com vida após receber descarga elétrica em RO

Rede foi desligada para resgate do animal em Guajará-Mirim. Animal sofreu lesões nas patas, axila esquerda e está em recuperação.

Por Júnior Freitas

RO Guaraja resgate preguica

Um bicho-preguiça foi resgatado na manhã desta sexta-feira (9) após subir em um poste na Avenida Salomão Ferreira Abiorana, em Guajará-Mirim (RO), a 330 quilômetros de Porto Velho. Segundo a Polícia Militar Ambiental, a preguiça sofreu ferimentos graves, pois recebeu um choque de alta tensão, mas não corre risco de morte. Um morador viu o animal subindo no poste e acionou os policiais.

Durante o resgate a rede elétrica teve que ser desativada pelas Eletrobras para que o animal fosse retirado dos fios de alta tensão. O Corpo de Bombeiros também foi acionado e prestou apoio.

Segundo o comandante da Polícia Ambiental, Marcus Martins, após o resgate o animal foi examinado por um veterinário da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron). A preguiça será levada para o Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas), que está localizado no campus da Universidade Federal de Rondônia (Unir), em Porto Velho.

O comandante explica que devido à gravidade das lesões causadas pelo choque que o animal recebeu dificilmente será reintegrada ao habitat natural. “Ela teve as duas patas dianteiras e uma pata traseira cauterizadas porque o choque foi muito forte. Também teve um rompimento da axila esquerda. Ela vai ser tratada e vai se recuperar, mas talvez nunca volte para a natureza”, afirma.

O sargento da Polícia Ambiental Gilmar Nunes diz que não é comum as preguiças subirem em postes. “As ações antrópicas na natureza, como desmatamento, queimadas e poluição acabam deixando os recursos escassos no seu habitat natural. O animal se sente desprotegido e acaba vindo para a cidade em busca de abrigo e alimento”, ressalta.

RO Guaraja resgate preguica2

RO Guaraja resgate preguica3

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.