Presidente Prudente (SP) ganha abrigo de passagem para 250 animais

Presidente Prudente terá um abrigo municipal de passagem e acolhimento com capacidade para 250 animais, já que a Prefeitura divulgou em edital o resultado da empresa que ganhou a licitação para a construção do espaço, sendo a Ação Ambiental Engenharia Ltda.

Conforme a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, responsável por acompanhar o projeto, o espaço será destinado aos animais que necessitarem, como os de rua ou sem capacidade para um atendimento, mas o titular da pasta, Wilson Portella Rodrigues, ressalta que não será um “depósito” de animais, como um canil, mas de acolhimento. “Os técnicos farão uma triagem de como o serviço será prestado e tudo isso será determinado por meio de um regulamento de funcionamento, mas que ainda não está pronto. Por isso, estamos fechando os detalhes”, afirma o secretário. O contrato para o início dos trabalhos já está pronto, mas pendente de assinatura. O prazo, após início das obras, é o de 10 meses para conclusão.

Conforme a administração, entre os trabalhos disponibilizados estarão os tratamentos clínicos, vacinação, castração e adoção dos animais, sendo que o espaço tem capacidade para 250, entre gatos e cachorros, que passarão por cuidados de funcionários especializados que ainda serão contratados. Questionado sobre quem deve disciplinar a entrada e saída dos animais, Portella alerta para o crivo dos técnicos diante das diversas situações que eles devem enfrentar, mas afirma que tudo será de acordo com um regulamento e que ainda está em elaboração.

Vale dizer que o abrigo municipal, publicado em edital pela Prefeitura em 22 de novembro, será localizado na Rodovia Júlio Budiski (SP-501), próximo à empresa Leite Líder, e, conforme a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, é importante, pois será um ambiente destinado ao tratamento, com segurança, alimentação, “carinho” e todos os cuidados que os animais necessitarem. “Não é nosso objetivo que o animal fique disposto lá para sempre, mas que passe, receba os cuidados necessários e volte ao seu lar, ou encontre um se for o caso. Não queremos competir com estabelecimentos veterinários, por isso ele será destinado aos animais de rua ou que não tiverem condições de receber um atendimento em casos de emergências”, acrescenta Portella.

“Luta antiga”

A protetora e responsável pela Rede Proanimal, Valéria Ribeiro, afirma que a chegada de um abrigo municipal é uma “luta antiga e muito grande”, pois marca a conquista de um pedido realizado há tempos por parte da rede que ela gerencia, a Comissão de Proteção Animal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Promotoria do Meio Ambiente e Defensoria Pública. “Os protetores estão lotados, somente eu, por exemplo, tenho 10 animais em lares temporários e não temos mais o que fazer. É importante sim, mas desde que tenham critérios para receber os animais de passagem, como os vulneráveis e em casos de urgência”, informa.

Ainda de acordo com Valéria, Prudente pode ser considerada uma cidade privilegiada, pois possui um grande número de voluntários ativos na causa protetora, o que, segundo ela, é dificilmente encontrado em demais municípios. “Não é apenas uma obrigação dos moradores, mas do poder público também, com, por exemplo, políticas de castração gratuita e leis rígidas para maus-tratos. Um trabalho de conscientização seria ideal aliado a tudo isso”. Ela finaliza dizendo que o olhar aos animais, representado pelo abrigo, é o mais importante de ser conquistado no momento.

Por Gabriel Buosi

Fonte: O Imparcial

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.