Pressão de ativistas e crise financeira ameaçam zoológicos

Desde que o primeiro zoológico surgiu há quase 200 anos em Londres, na Inglaterra, animais como o tigre-de-java e o lobo-da-tasmânia desapareceram da face da Terra, milhares de espécies foram catalogadas pela ciência, a ovelha Dolly tornou-se o primeiro mamífero clonado, pesquisadores descobriram que 98,7% do DNA de bonobos e humanos são idênticos e muitos outros acontecimentos fantásticos mudaram a relação entre homens e bichos. Enquanto isso, nos últimos dois séculos os zoos permaneceram os mesmos, mantendo-se como espaços de confinamento para a diversão dos humanos. Agora isso pode mudar. Um movimento iniciado na Europa e que se alastrou por diversos países prega a completa reformulação dos parques ou até mesmo a sua extinção. “Não temos o direito moral de permitir que os animais sofram apenas porque somos curiosos e desejamos observá-los de perto”, diz Damian Aspinall, presidente da fundação que administra o zoo inglês How­letts Wild Animal Park. Ele … Continue lendo Pressão de ativistas e crise financeira ameaçam zoológicos