PRF resgata mais de 700 filhotes de tartaruga dentro de caixa de papelão em MG

PRF resgata mais de 700 filhotes de tartaruga dentro de caixa de papelão em MG
O motorista, que já foi preso anteriormente por crime ambiental, se negou a repassar detalhes do transporte. Foto: PRF/Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) resgatou 746 filhotes de tartaruga da espécie tigre-d’água durante fiscalização na BR-1116, próximo à Unidade Operacional em Muriaé, na Zona da Mata Mineira, na noite dessa terça-feira (27/2). Um casal foi preso em flagrante por crime ambiental.

Os policiais rodoviários realizavam uma ação de combate ao crime, quando abordaram um motorista depois dele fazer uma manobra suspeita ao ver a fiscalização policial. Na revista ao veículo, os agentes encontraram centenas de filhotes de tartaruga, que estavam sendo transportados em condições precárias, dentro de caixas de papelão, sobre o banco traseiro do automóvel. Alguns dos animais já estavam mortos.

O motorista disse à PRF que pegou os filhotes em um posto de gasolina numa cidade vizinha a Muriaé, mas não soube dizer onde as entregaria e se negou a repassar detalhes do transporte. O homem já havia sido preso por crime ambiental no ano passado. A passageira, companheira do condutor, afirmou que desconhecia a presença dos animais no veículo.

A Polícia Judiciária em Muriaé foi acionada e o casal assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência por crime ambiental contra a fauna silvestre e maus-tratos. Os animais ficarão sob responsabilidade da Polícia Militar do Meio Ambiente.

A espécie pertence à fauna silvestre e sua posse e manutenção só são permitidas com a nota fiscal de compra, onde fica explícito o nome popular e científico do animal, e o número do microchip, gravado na parte inferior da carapaça do animal. A tartaruga não pode ser vendida sem o microchip e a nota fiscal deve sempre estar disponível em caso de fiscalização ou transporte.

Por Melissa Souza

Fonte: Estado de Minas

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.