Primeira alpinista ucraniana a conquistar o Everest pede a parlamentares que maus-tratos a animais no centro de treinamento de caça seja proibido

Primeira alpinista ucraniana a conquistar o Everest pede a parlamentares que maus-tratos a animais no centro de treinamento de caça seja proibido
Foto: Green Power/Facebook

Membros do parlamento ucraniano vendem terras, trocam ministros como se troca de camisa, resolvem questões corporativas, mas fecham os olhos para aqueles projetos de lei importantes que levariam minutos para votar. Esses projetos essenciais não causam disputas em torno deles em um país civilizado.

Hoje, uma alpinista e a primeira mulher ucraniana que conquistou o Monte Everest, Irina Galay, lembra a necessidade de aprovar o projeto de lei nº 2232 que proíbe os centros de caça na Ucrânia e instou os membros do parlamento a pararem com a crueldade contra os animais. Ela publicou a urgência em sua página no Facebook.

🆘Дуже важливо!!! Саме сьогодні! У Верховній Раді розглядається законопроект 2232, який забороняє притравку на живих…

Julkaissut Irina Galay Torstaina 2. huhtikuuta 2020

Essa iniciativa de proteção animal foi registrada no Conselho Supremo da Ucrânia (Rada) em abril de 2018 como projeto de lei n ° 8256 sobre a proibição dos centros de treinamento de caça. No entanto, a Associação de Fazendas de Caça e Pesca garantiu que os membros do parlamento enviassem o documento para revisão. Que cinismo, mais de 400 parlamentares dançam ao som do lobby de caça.

Mas os defensores de animais não planejavam desistir após o primeiro fracasso. A iniciativa, levando em conta os erros e completando as lacunas, continuou sua luta sob um novo nome: o projeto de lei “Sobre a alteração de certos atos legislativos da Ucrânia relacionados ao treinamento de cães de caça, bem como o regulamento do número de algumas espécies de animais selvagens” (Projeto de lei nº 2232).

Em 20 de dezembro de 2019, o projeto de lei nº 2232 já estava na pauta de votação, mas o milagre nunca aconteceu. O presidente do Comitê Ecológico não o apoiou no conselho de conciliação, como resultado do qual o projeto foi retirado da votação, e mesmo a petição, que obteve mais de 73.000 votos, não se tornou um argumento para os membros do parlamento.

Por quê? Porque os caçadores se manifestaram contra, e há muitos caçadores no Verkhovna Rada (Conselho Supremo da Ucrânia). E o objetivo da iniciativa de proteção animal é proibir o treinamento de cães para caçar com o uso de animais selvagens como simulação viva na Ucrânia, juntamente com outros países europeus. De fato, o processo desses treinamentos de caça com animais selvagens causa ferimentos graves, traumas e os animais geralmente morrem. Para que o predador não machuque o cão durante o treinamento, mutilam-se os animais, arranca-se suas garras e dentes, os animais passam fome ou são expostos a drogas poderosas. Maus-tratos em absoluto, proibidos em países civilizados.

Os ativistas dos direitos dos animais observaram repetidas vezes que o treinamento de cães não foi regulamentado pelo Estado de forma alguma: não existem leis que estabeleçam limites para quem deseja treinar seus cães na caça de animais vivos. Portanto, o máximo de crueldade humana está acontecendo nos centros de treinamento de caça.

Já existe um enorme pedido público de uma solução para esse problema: as pessoas assinaram petições com 50.000 ou mais votos e realizaram grandes comícios para apoiar o projeto. Na realidade, a sociedade está pedindo ao Parlamento da Ucrânia que pare a violência contra animais, mas os parlamentares parecem não ouvir as pessoas.

Esperamos que cada vez mais pessoas famosas levantem essa questão, e será embaraçoso para os representantes eleitos fingirem que nada está acontecendo e que, com esse apoio, as iniciativas de proteção animal serão realmente ouvidas.

Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: 112 International

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.