Primeiro mutirão aplica microchip gratuito em cerca de 106 animais em Campo Grande, MS

Primeiro mutirão aplica microchip gratuito em cerca de 106 animais em Campo Grande, MS
No total, 106 animais foram microchipados durante mutirão, nessa sexta-feira (10) — Foto: Subea/Divulgação

O primeiro mutirão de microchipagem de cães e gatos foi realizado nesta sexta-feira (10), pela subsecretaria de Bem-Estar Animal (Subea), em Campo Grande. Segundo a Prefeitura, foram microchipados 84 cães e 22 gatos, sendo 106 animais no total. Nova ação está prevista para ser realizada em junho.

A secretária da Subea, Ana Luiza Lourenço, explicou que existe uma lei municipal que torna obrigatório que todos os animais domésticos sejam microchipados.

“Essa lei existe desde 2014, mas os microchips não eram disponibilizados para a população. E em uma ação inédita, em dezembro de 2022, foi primeiramente ofertado para a população mais vulnerável e, hoje, a prefeitura disponibiliza para todos os munícipes”, explica a secretária.

Existe uma lei que torna obrigatório que todos os animais domésticos sejam microchipados — Foto: Subea/Divulgação
Existe uma lei que torna obrigatório que todos os animais domésticos sejam microchipados — Foto: Subea/Divulgação

Conforme as informações da Subea, a aplicação do microchip é rápida e simples, não apresentando risco para o animal, servindo para combater o abandono. Após a aplicação, o número do microchip fica registrado no sistema, com os dados do tutor.

Em 2023, a Subea afirma que mais de 7,9 mil animais foram microchipados e, a meta é dobrar os atendimentos através dos mutirões.

Além disso, durante os mutirões, o número do NIS do tutor não é exigido, porém, os responsáveis devem apresentar o documento com foto e comprovante de residência.

Ainda conforme as informações, segundo a subsecretária, uma próxima ação deve ocorrer em junho.

Segundo a Prefeitura, o microchip é uma forma de combater o abandono — Foto: Subea/Divulgalgação
Segundo a Prefeitura, o microchip é uma forma de combater o abandono — Foto: Subea/Divulgalgação

Por Rafaela Palieraqui

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.