Primeiros socorros para cães queimados

Primeiros socorros para cães queimados

 

Cães são como crianças: ao menor vacilo o pior pode acontecer. Algo quente pode derramar em cima dele ou até mesmo queimar as patas por conta do chão extremamente quente nesse verão. Para não deixar o seu cachorro em apuros é importante dar os primeiros socorros para eles antes de levar ao veterinário.

O que não fazer

É muito comum ver pessoas colocando várias substâncias diferentes numa queimadura; manteiga, borra de café, pomadas, pasta de dente ou quaisquer outros cremes. Esses itens podem causar algum tipo de infecção e piorar o estado de saúde do cachorro.

Classificação das queimaduras

As queimaduras são classificadas de acordo com a profundidade do dano, identificando quais camadas da pele foram danificadas. Veja qual a classificação:

Primeiros socorros para cães queimados

– 1º grau: causa dor, vermelhidão e os pelos ficam queimados, grudados na pele.

– 2º grau: aqui, as terminações nervosas serão atingidas, haverá formação de bolhas e edema subcutâneo além da perda de plasma sanguíneo.

– 3º grau: toda a epiderme (camada mais externa da pele) é destruída e a derme fica exposta. Ocorre destruição completa das terminações nervosas o que faz a dor desaparecer.

Além disso, há uma certa porcentagem da área queimada a ser calculada. O prognóstico é baseado de acordo com as áreas lesionadas. Um cachorro com mais de 30% do corpo queimado já se encontra numa faixa de prognóstico ruim. Veja a representação em porcentagem de cada parte do corpo:

– Patas dianteiras: 18%
– Patas traseiras: 36%
– Cabeça e pescoço: 9%
– Tórax: 18%
– Abdome: 18%

O que fazer?

Muitos tutores podem ficar desesperados ao ver os seus cães sendo queimados e não conseguir seguir os procedimentos corretos. Por isso, a primeira coisa a fazer é se acalmar e direcionar toda a sua energia para interromper a fonte de calor.

Caso o local ainda tenha chamas, procure abafá-lo com um cobertor grosso ou qualquer roupa que esteja ao alcance. Depois, você deve resfriar o local o máximo possível com água corrente (torneiras, por exemplo), panos limpos úmidos ou gases.

Após esses procedimentos, siga a caminho do veterinário e entre em contato com ele para que possa ocorrer um preparo específico por parte da equipe médica. O ideal é que eles estejam preparados para atender o seu cachorro da melhor maneira e o mais rápido possível.

Fonte: Webcachorros / via Vet Animal

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.