Procurada por apagar cigarro em olho de cão está em prisão perpétua

Procurada por apagar cigarro em olho de cão está em prisão perpétua

Um ato de violência contra um animal, filmado e divulgado no WhatsApp, motivou um alerta à Sociedade de Prevenção de Crueldade Animal em Singapura, que abriu uma investigação com vista a encontrar a responsável. Acontece que a mulher, de nacionalidade filipina, já está a cumprir pena.

As imagens em causa, que começaram a circular através de conversas de grupo do WhatsApp, em Singapura e na Malásia, mostram uma mulher a segurar um cigarro com uma mão e a agarrar um cão pelo pescoço, com a outra, antes de queimar o animal com o cigarro acesso, enquanto lhe aperta o corpo. Nas imagens, o canídeo parece ter a boca fechada com um fio, que o impede de ladrar ou gemer.

Procurada por apagar cigarro em olho de cão está em prisão perpétua

A Sociedade para a Prevenção da Crueldade aos Animais (SPCA) em Singapura foi alertada para o vídeo em agosto último e fez apelos nas redes sociais para encontrar a mulher. “Há indícios de que o incidente pode não ter ocorrido em Singapura, mas estamos a explorar todas as possibilidades e a apelar por informações credíveis para procurar justiça”, adiantou a organização em comunicado.

Acontece que, na segunda-feira passada, outro grupo de defesa dos animais, o PETA Ásia (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais), confirmou que o vídeo foi filmado nas Filipinas e esclareceu que se tratava de um caso antigo que envolvia Vicente e Dorma Ridon, um casal filipino condenado a prisão perpétua por abuso infantil, crueldade animal, tráfico de pessoas e desrespeito à vida selvagem. Entre os vários crimes, os indivíduos gravavam e filmavam maus-tratos a animais, para venderem as imagens a plataformas online de partilha desse tipo de conteúdo.

A “PETA Ásia e as autoridades Filipinas conseguiram localizar o casal e encerrar a operação em 2014. O casal foi condenado à prisão perpétua”, acrescentou a organização.

Fonte: JN / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.