Programa da Prefeitura castrou mais de 16,7 mil cães e gatos em Curitiba

Programa da Prefeitura castrou mais de 16,7 mil cães e gatos em Curitiba
Foto: Lucilla Guimarães/SMCS

Antes de completar 12 meses de atuação, ainda em maio deste ano, o Programa Municipal de Castração Gratuita da Prefeitura de Curitiba já havia atingido a meta de 16,7 mil cães e gatos castrados. Compromisso da atual gestão, a Proteção Animal, que já ganhou força nos primeiros meses de 2017, conseguiu consolidar-se em 2018.

Apenas ao longo do ano, mais de 15,5 mil animais foram beneficiados pelas ações de castração nos dois castramóveis que rodam as regionais da cidade e nas cinco clínicas cadastradas para participação no programa. Isso significa mais saúde e menos cães e gatos abandonados nas ruas da cidade.

As ações são especialmente valorizadas por ONGs e protetores de animais independentes. A aposentada Florinda Alzira Azevedo e a filha, a dona de casa Anna Caroline Dias Gama, que levaram os cães Lilica e Amarelo na Rua da Cidadania do Bairro Novo para castração, aprovaram os atendimentos.

“É muito importante poder contar com um serviço público como esse, já que acabamos recolhendo animais da rua e encaminhando para adoção também”, comemorou Florinda. Amarelo, por exemplo, foi abandonado em frente à casa da família.

Reforço
Neste ano, as ações ganharam o reforço das avaliações clínicas gratuitas de animais, possíveis graças a um termo de cooperação com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), assinado em junho, durante as celebrações do Mês do Meio Ambiente. “Os atendimentos, que devem passar por todas as regionais da cidade, garantem animais mais aptos para as cirurgias de castração”, garante a secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Quase 4 mil animais foram beneficiados pelos atendimentos realizados nas Regionais Tatuquara, CIC, Matriz, Fazendinha, Bairro Novo, Boqueirão e Boa Vista. Em 2019, novos locais serão beneficiados conforme o cronograma.

Para o técnico de telecomunicações Fernando Rótulo, morador da Regional Tatuquara, a promoção de atendimentos básicos gratuitos é muito importante para a população que não tem condição de pagar por consultas e para quem faz o resgate de animais. Ele, a esposa Fabiana, e a mãe Glória Aparecida, cuidam de três cães resgatados.

“Nós procuramos estar sempre com a vacinação dos três em dia e todo o cuidado é uma despesa. É importante que isso seja ofertado à comunidade”, destacou. Baruck, um cão de raça e grande porte, abandonado no portão da casa da família Rótulo, já precisou de um tratamento oftalmológico que custou cerca de R$ 200.

Comunidade

Para a secretária do Meio Ambiente, a participação da população é fundamental para o sucesso dos programas. Além dos munícipes que buscam atendimento e colaboram cuidando da saúde dos seus animais e mantendo-os dentro dos princípios da guarda-responsável, há um número grande de parceiros entre os protetores e Organizações Não-Governamentais que auxiliam o município neste cuidado. “Já são 1,4 mil protetores cadastrados e que apoiam a causa oferecendo lares temporários, entre outras iniciativas”, conta.

Fonte: Bem Paraná

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.