Projeto de lei proíbe uso de correntes em animais em Praia Grande, SP

Projeto de lei proíbe uso de correntes em animais em Praia Grande, SP

No intuito de evitar maus tratos principalmente aos cães, os vereadores aprovaram, na sessão de terça-feira, dia 11, o Projeto de Lei nº 38/20, de autoria do vereador Carlos Eduardo Barbosa, o Cadu (PTB), que proíbe o uso de correntes em animais domésticos, em residências, estabelecimentos comerciais, industriais, públicos e vias públicas.

Segundo o autor da propositura, muitas denúncias de maus-tratos de animais se devem ao fato dos donos os manterem presos em correntes que por diversas vezes são pesadas ou curtas a ponto do cão não conseguir se locomover ou sequer deitar e esse projeto de lei servirá para regulamentar isso como prática de maus-tratos.

“Os cães são essencialmente sociais e o contato com outras pessoas e animais é tão importante para o seu desenvolvimento físico e emocional quanto ter comida ou água. Erroneamente, alguns tutores pretendem, mantendo-os acorrentados, estimulam a agressividade e transformá-los em cães de guarda ferozes. Os cães mantidos constantemente presos tendem a ser destrutivos, já que nunca foram ‘educados’ a ficar entre as pessoas. Ao se verem soltos, livres das correntes, correm desesperados por todos os cantos derrubando tudo o que veem pela frente e, assim, sofrem atropelamentos ou causam acidentes”, argumentou Cadu, na justificativa do projeto.

Segundo o parlamentar, quem opta por ter um cão tem obrigação de atender às necessidades básicas do animal, assim como proporcionar o seu indispensável bem-estar. “Embora sujeitar o cão ao acorrentamento seja menos dispendioso para o tutor, já que entende equivocadamente que o alimentando, o seu dever está cumprido, essa conduta não pode mais ser tolerada por uma sociedade que tem direito ao meio ambiente equilibrado”, reclamou Cadu.

Fonte: Gazeta do Litoral

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.