Projeto de Lei que proíbe rodeios gera polêmica em Bauru, SP

Projeto de Lei que proíbe rodeios gera polêmica em Bauru, SP

Mesmo sem data para votação, favoráveis e contrários mobilizam discussões na Câmara

Por Vitor Moura

SP bauru leirodeios3

O Projeto de Lei (PL) do vereador Roque Ferreira (PT), que proíbe a prática de rodeio no perímetro urbano de Bauru, está dando o que falar antes mesmo de ser levado a votação. Em novembro, o relator indicado pela Comissão de Economia da Câmara, Moisés Rossi (PPS), pediu parecer da Federação Estadual de Rodeios, que até agora não se manifestou.

Uma das críticas do petista diz respeito à violência com os animais. Segundo Willians Roufato, organizador do Rodeio do Mary Dota que esteve na Câmara para se manifestar contrário ao PL, “o sedém (tarja de algodão colocada na base do pênis dos animais) só faz cócegas nos animais”.

Outro questionamento do PL versa sobre a realização desses eventos no Recinto Melo de Moraes e no espaço do Mary Dota, que ficam dentro do perímetro urbano do município, o que é vedado por Decreto Estadual desde 1995. Para agravar, o último local fica ao lado de uma escola estadual.

“A aglomeração de animais de grande porte, confinados em espaços inadequados à natureza de cada uma das espécies, dentro da urbe, contraria todas as recomendações sanitárias que se conhece, haja vista que constituem ameaça à população, em decorrência de zoonoses que estarão sendo levadas à população, a chamada ‘contaminação cruzada’ por meio de insetos, como as moscas e de parasitas” sinaliza o PL.

Geração de emprego?

Alguns dos organizadores defendem o rodeio como mercado gerador de empregos. O argumento é rebatido por Marta Caputo, ativista da ONG Bauru Sem Rodeios.

“Eu quero ver se ele consegue mostrar uma só carteira assinada”, desafiou. “Os peões são contratados como temporários e depois, quando se machucam e ficam paraplégicos, são largados num canto porque não têm nenhum direito trabalhista”.

Fonte: Portal Participi

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.