Projeto Frajola esteriliza 973 gatos em um ano na cidade de Aracaju, SE

Projeto Frajola esteriliza 973 gatos em um ano na cidade de Aracaju, SE

O controle ético da população de gatos de rua através do método Captura, Esterilização e Devolução (CED) finalmente começa a entrar na pauta de discussões e ações da Proteção Animal. ONGs, ativistas e protetores paulatinamente tomam consciência de que é chegada a hora de apoiar a atividade mais utilizada ao redor do mundo para frear e estabilizar, de maneira não traumática, a enorme massa de gatos de rua que se faz presente em todos os meios urbanos brasileiros.

Há um claro sinal de vitalidade na atividade de CED no Brasil. O conceito de controle não traumático de gatos de rua está tomando corpo. O caldo da cultura de CED está ficando grosso. E finalmente conta com relativa aprovação social e começa a abrir espaço na mídia e nos meios interessados em diminuir o sofrimento dos gatos de vida livre.

Um dos mais incríveis exemplos vem de Aracaju-SE, onde o publicitário Henrique Loyola e o médico veterinário Dr. Reinaldo Cirilo se uniram para tentar dar alguma resposta a um cenário de grave descontrole da população de gatos de rua.

Nasceu o Projeto Frajola (Frajola.org), que esterilizou nada mais nada menos que 973 gatos de rua em um ano, completado em abril último.

“O projeto é o resultado de infindáveis reuniões, pequisas e bate-papos em busca de uma forma de contribuir para o bem-estar dos gatos de rua em um modelo colaborativo”, afirma Henrique, o jovem publicitário amante de animais de rua. Ele ainda destaca “o envolvimento de empresas investidoras, como a Atalaia Rações” para dar viabilidade às ações de CED.

As capturas nas colônias de gatos da cidade são feitas pela ativista Kitty Lima e sua equipe da ONG Anjos de um Resgate. Kitty, que se elegeu vereadora nas últimas eleições, transporta com sua equipe os gatos para a clínica do Dr. Reinaldo Cirilo, que põe em prática sua Cirurgia Paralombar Minimamente Invasiva (CPMI). “Essa técnica é tão fabulosa que tenho utilizado também nos animais de clientes na rotina da clínica”, diz o médico apaixonado por gatos e que considera o método CED “o único recurso capaz de controlar felinos de colônias, dando-lhes qualidade de vida.”

A respeito de sua técnica cirúrgica: a incisão é lateral, diferente da frontal normalmente praticada pelos cirurgiões de CED, e tem a vantagem de “evitar que ocorra uma infecção por contato de filhotes amamentando”, quando se faz necessário esterilizar uma fêmea com filhotes. Situação que ocorre em intervenções de CED quando o agente captura uma gata e não localiza ou não pode mexer na ninhada recente.

Esse tipo de situação mencionada acima é muito delicada e precisa de muita entrega dos profissionais envolvidos nas ações de CED. Essa entrega se traduz em prática e aperfeiçoamento da atividade, e também em troca de informações entre os grupos de controle que atuam no Brasil. Essa troca ainda é muito incipiente e precisa muito de fortalecimento.

Por esse motivo iniciamos um intercambio muito rico com o Projeto Frajola. Desde que fomos procurados abrimos diálogo e a troca de experiência até o momento tem sido muito rica.

Por conta disso convidamos o Frajola para o 1º Seminário Brasileiro de CED, que acontecerá no próximo mês de julho.

Serão duas palestras dedicadas ao Projeto Frajola, a saber:

A Castração Minimamente Invasiva Lateral. O controle ético de gatos de rua em Aracaju. Palestrante: Dr. Reinaldo Cirilo – Projeto Frajola – Aracaju.

A captação de recursos da iniciativa privada para projetos de CED. O controle ético de gatos de rua em Aracaju. Palestrante: Henrique Loyola – Projeto Frajola – Aracaju.

Será uma excelente oportunidade para conhecer esse trabalho tão profícuo dos nossos irmãos de CED em beneficio da sofrida população dos gatos de rua de Aracaju.

Serviço:
1º Seminário Brasileiro de CED
08/07/2017 das 9:00hs às 18:00hs
Local: Casa Prema

Mais informações:
E-mail: [email protected]
Página no Facebook, clique aqui.

Por Eduardo Pedroso

Fonte: ONG Bicho Brother

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.