Projeto oferece castração gratuita de cachorros de rua em Carmo do Cajuru, MG

Projeto oferece castração gratuita de cachorros de rua em Carmo do Cajuru, MG
Castramóvel atenderá entre os dias 26 e 31 de março em Carmo do Cajuru. (Foto: Bruno Freitas/SantanaFM)

O serviço gratuito de castração de cães, o “Castramóvel”, chega a Carmo do Cajuru no dia 26 de março. Até 31 de março, a expectativa é atender pelo menos 60 animais de rua.

Segundo a Vigilância em Saúde, para o projeto ser concluído, é preciso encontrar voluntários que cuidem dos animais castrados durante o período de recuperação, estimado em quatro dias.

Projeto regional

O “Castramóvel” é um veículo equipado com todos os materiais necessários para o procedimento veterinário e foi adquirido pela Associação Regional de Proteção Ambiental (Arpa) que, junto a prefeituras do Centro-Oeste de Minas, atendeu à proposta do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) de firmar um Termo de Compromisso Positivo (TCP) e promover ações para o controle populacional de cães e gatos.

O veículo já passou neste ano por Formiga e Córrego Fundo. Além de Carmo do Cajuru, Cláudio, Itapecerica, Camacho, Pimenta, Pedra do Indaiá e São Sebastião do Oeste estão entre as cidades visitadas.

A Vigilância em Saúde da Prefeitura de Carmo do Cajuru informou que os animais precisam de um lar temporário um dia antes da castração e nos três dias seguintes ao procedimento. Permanecer com o animal não é obrigatório, mas o voluntário também pode adotá-lo. Após a castração, o cão recebe uma coleira de identificação.

Ainda de acordo com o órgão, se o voluntário que acolher um cão de rua também tiver um cão doméstico, o animal de estimação também pode ser castrado gratuitamente.

Segundo dados da Vigilância em saúde, atualmente a população canina de rua do município é estimada em 700 animais. Novas castrações devem acontecer a cada dois meses na cidade.

Os interessados em se cadastrar para acolher um cão de rua devem entrar em contato nos telefones: (37) 3244-0674 ou (37) 3244-0731.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.