Projeto proíbe uso de veículos com tração animal em área urbana de Itajaí, SC

Projeto proíbe uso de veículos com tração animal em área urbana de Itajaí, SC

Por Patrízia Krieser

sc itajai tracaoanimal1

O vereador Fabrício Marinho (PPS) protocolou na Câmara de Vereadores de Itajaí projeto de lei para alterar o Código Municipal de Proteção aos Animais. A emenda proíbe a circulação de veículos de tração animal dentro da área urbana. Hoje, as carroças têm permissão para circular em determinadas ruas da cidade com limitação de horário.

A motivação para o projeto, segundo o vereador, surgiu por conta dos maus-tratos a cavalos que viraram notícia em Itajaí nas últimas duas semanas e também pelas dificuldades na fiscalização.

O diretor de Defesa Animal da Famai, Roberto Pereira, informa que neste ano o órgão recebeu 19 denúncias. Sete cavalos foram recolhidos, um não resistiu aos ferimentos e outro teve que ser sacrificado.

– O cavalo não foi feito para andar no asfalto. Há duas semanas encontramos um animal sem o casco, as terminações nervosas estavam expostas, ele pulava de dor cada vez que encostava as patas no chão. Uma monstruosidade – disse.

O projeto terá de passar pelas comissões de Meio Ambiente e Legislação e Redação Final antes de ir a votação em plenário, o que deve levar cerca de 60 dias.

Falta estrutura

A responsável pelo Núcleo de Zoonoses de Itajaí, Raquel Marchetti, que é quem gerencia o Canil Municipal – local previsto no projeto para abrigar os cavalos recolhidos -, afirma que o espaço não tem estrutura para acomodar animais de grande porte.

– Não estamos preparados para receber cavalos – disse.

Efeito questionável

A Codetran também teria que fiscalizar a prática, junto à Famai. O coordenador, Ewerson Luis Gama, explica, porém, que o órgão não tem poder para notificar. Dessa forma, o agente que flagrasse um carroceiro teria que acionar a Famai para que o ato de infração fosse feito e a carroça e o animal fossem recolhidos.

Fonte: Guarda-Sol

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.