Projeto quer melhorar canil que abriga animais abandonados em Lajeado, RS

Projeto quer melhorar canil que abriga animais abandonados em Lajeado, RS

Após a iniciativa de construir um presídio feminino, a comunidade de Lajeado, no Vale do Taquari, se mobiliza para melhorar a sede de uma organização não governamental (ONG) que abriga animais abandonados na cidade. O projeto está pronto. No entanto, nem todos os moradores concordam com ele, como mostra a reportagem exibida nesta sexta-feira (10) pelo Bom Dia Rio Grande.

A ONG foi criada há dois anos por Ana Rita Azambuja. Ela abriga os cachorros na própria casa. No local, os cães são cuidados, alimentados e encaminhados para doação. Mais de dois mil animais já passaram pelo abrigo. Ela relata que se emociona com o trabalho que faz.

“Esses animais foram abandonados e descartados como lixo por alguém que não sentiu nada por eles. Olhar nos olhos de um animal que tu recupera, que tu trouxe da rua… O carinho, o amor, é tudo de bom. E eles não pedem nada em troca”, analisa a presidente ONG Amando, Protegendo e Ajudando Muitos Animais (Apama).

Atualmente, 280 cães vivem no canil. Todos têm casinha, mas a estrutura é improvisada e alguns animais precisam dividir pequenos cercados. O projeto de melhoria pretende mudar este cenário. A proposta é construir baias individuais, depósito para ração e ambulatório, além de adaptar a coleta de resíduos e o sistema de alimentação.

“Vai dar condições de colocar um comedor automático e a possibilidade de colocar uma coleta de dejetos praticamente automática, uma vala onde vai pra fossa. Vamos acabar com esse cheiro e essa necessidade de limpeza diária do pátio”, explica o diretor da Associação Lajeadense Pró-Segurança Pública, Leo Katz.

O projeto da associação deve ser colocado em prática com a parceria entre empresas e a comunidade. O Presídio Estadual de Lajeado deve colaborar fornecendo a mão de obra.

A ideia é que, com a obra, os cães tenham melhores condições de vida e mais chances de serem adotados. O problema é que os vizinhos querem que a ONG saia de onde está. Eles reclamam do barulho e do cheiro do local.

“Toda madrugada tu acorda com barulho. É demais. Imagina, 300 cachorros, quase”, reclama o aposentado Roque Berner. “O cheiro também. Dia de chuva, tem aquele bafo, levanta bastante. Eu gosto de cachorro, mas podia mudar o lugar. Tirar daqui e botar em outro lugar”, afirma a diarista Ida Hammes.

Projeto para melhoria de canil divide opiniões em Lajeado (Foto: Reprodução / RBS TV)

As reclamações chegaram na secretaria municipal do Meio Ambiente. A Prefeitura de Lajeado diz que a ONG fica na área rural do município, onde é permitida a criação de animais.

“A Apama está legalizada até junho de 2019 para até 300 animais. Está tudo ok. Ela está apta para atuar naquele local”, informa o secretário da pasta, Luís Benoitt.
Enquanto representantes do canil e moradores não se acertam, as obras não começam. Por isso, uma reunião foi marcada para este mês com o Ministério Público.

“A ideia da Apama não é ter uma pilha de animais e sim trabalhar a ideia de conscientização, de esterilização e castração, que é o que vai evitar essa grande quantidade de abandono, que é desenfreada”, entende Ana Rita.

Para Leo Katz, a apresentação e as condições do canil influenciam no número de adoções dos animais. “No momento que tu melhorar o aspecto, que alguém chegar aqui com condições de sorrir e não de colocar lágrimas nos olhos e olhar um cachorro limpo, sadio e feliz, seguramente vai querer levar”, finaliza.

Fonte: Rio Grande do Sul

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.