Protetora busca por especialista com dardos tranquilizantes para resgatar cães feridos por espinhos de ouriço: ‘Morrendo à míngua’

Protetora busca por especialista com dardos tranquilizantes para resgatar cães feridos por espinhos de ouriço: ‘Morrendo à míngua’
Um dos cães com espinhos no focinho — Foto: Selimar Silva/Divulgação 

A protetora de animais Selimar Silva pede ajuda de algum especialista com dardos tranquilizantes, para acalmar animais, que possa ajudar no resgate de dois cães feridos por espinhos de ouriço, em Anápolis, a 55 km da capital. Há mais de seis dias, a protetora tenta capturar os cachorros para retirar os espinhos e oferecer assistência veterinária.

“Os cachorros atacaram e mataram um ouriço. Desde então a gente tenta fazer o resgate. Eu venho todo dia, fico de manhã até a noite. Precisamos de alguém que tenha um dardo tranquilizante ou que seja especialista nisso. Eles estão ariscos porque estão com medo e dor e se alimentam pouco”, ressalta a protetora. 

“Nem consigo dormir à noite. Como que eu durmo pensando que eles estão morrendo à míngua aqui?”, complementa
 

Ao todo, cinco cães ficaram feridos ao atacar o ouriço. Eles vivem nas ruas e quase sempre buscam abrigo e alimento no Jóquei Clube de Anápolis, no Bairro Lourdes.

Segundo Selimar Silva, três já foram resgatados, sendo dois pelo Centro de Zoonoses da cidade. Para resgatar os demais, ela e uma amiga iniciaram uma campanha nas redes sociais.

Resgate
 
Para Selimar, os animais estão muito debilitados e podem morrer se demorar ainda mais para que eles sejam socorridos. “Um deles ainda é um pouco cego, não posso deixá-los assim. Dos que foram resgatados, um deles eu até consegui tirar os espinhos, eram poucos, mas esses dois têm muitos espinhos, estou bastante preocupada”, conta Selimar.

O tenente do Corpo de Bombeiros Vilmar Arantes informou que a corporação foi acionada, na última quinta-feira (2), para resgatar quatro cachorros com espinhos de ouriço. Mas, segundo ele, ao chegar ao local, apenas um cão foi visto.

“Houve a tentativa de capturá-lo, mas não obtivemos sucesso. O local é aberto, com bastante vegetação, os animais são bem ariscos, e o cão que encontramos fugiu ao se deparar com nossa presença. Nós orientamos a pessoa que nos acionou a utilizar alimentos para que os cães voltem, já que com a nossa armadilha não foi possível. Não queremos machucar o animal, mas tentamos utilizar nossos meios para o resgate”, informou o tenente.

Cachorro ficou coberto de espinhos após atacar um ouriço, em Anápolis. — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Por Rafael Oliveira

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.