“Protetora” de animais é presa e multada em R$ 117 mil por maus-tratos aos pets em Itanhaém, SP

“Protetora” de animais é presa e multada em R$ 117 mil por maus-tratos aos pets em Itanhaém, SP
Foto: Reprodução

Uma mulher, de 48 anos, foi presa e multada em R$ 117 mil por maus-tratos aos animais, em Itanhaém, nesta segunda-feira (8). A suposta “protetora” tinha 17 cães e 22 gatos sob responsabilidade dela, em um imóvel no bairro Tropical. Em um vídeo obtido pela reportagem é possível ver local onde ela “cuidava” dos animais, repleto de fezes e urina. (veja o vídeo abaixo)

De acordo com a Polícia Civil, os agentes do 3º Distrito de Itanhaém detiveram a mulher em flagrante após denúncias de maus-tratos no local. Munidos de um mandado de busca e apreensão, expedido no dia 25 de março, os policiais civis entraram no imóvel e constataram o crime. Veterinários da Secretaria do Meio Ambiente da cidade foram chamados para constatar as condições impróprias que os animais estavam submetidos, assim como, procederem às medicações necessárias para o bem estar dos 39 pets. De acordo com a administração municipal, a suspeita recebeu as equipes da Prefeitura de maneira agressiva e só permitiu a entrada com a ajuda dos policiais.

Os cães foram encontrados no quintal em meio à grande quantidade de fezes, urina, pelos e moscas. Já os gatos, ficavam dentro da casa, em um ambiente sujo, abafado e com um forte odor. Segundo a Prefeitura, os animais permanecerão sob custódia do município, em tratamento, e assim que estiverem saudáveis serão castrados, microchipados e vacinados. Em seguida, serão colocados à disposição para adoção responsável.

A suspeita foi ouvida em inquérito policial e conduzida ao sistema penitenciário pelo crime de maus-tratos qualificado previsto na legislação ambiental. Foi emitida uma autuação por crime ambiental e a mulher responderá criminalmente. A multa será de R$ 3 mil para cada animal mantido no imóvel, totalizando R$ 117 mil.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Fonte: Mais Santos

Protetor não é acumulador: cuidado com essa construção especista!

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.