Protetora incentiva adoção de bichos cadeirantes: ‘Eles merecem amor’

Protetora incentiva adoção de bichos cadeirantes: ‘Eles merecem amor’

Vanessa Ribeiro, de Sorocaba, tem cães, gatos e até pássaros especiais. Ela criou página em rede social para ensinar o trato com este tipo de bicho.

Por Natália de Oliveira

SP Sorocaba caes adeirantes

Logo que acorda, por volta das 6h, a universitária Vanessa Torres Ribeiro, de 24 anos, moradora de Sorocaba (SP), já se preocupa em tratar dos seus 44 animais, sendo eles 25 cães, 15 gatos, dois passáros e dois ratos. Mas, diferentemente da maioria das pessoas que têm bichos de estimação, o trabalho da jovem não consiste apenas em dar água, comida e limpar fezes e urina.

Vanessa ainda precisa retirar da ‘cadeira de rodas’ três de seus cães e, assim, fazer a higienização dos assentos e dos bichos, que, ao fazerem suas necessidades, se sujam todos.

Até por conta disso, eles chegam a ficar assados e a jovem ainda precisa passar uma pomada e um óleo na região do órgão excretor. Rafaela, Fox e Chico Bento, como os cães cadeirantes são chamados, foram vítimas de atropelamento e maus-tratos e ficaram paraplégicos. Motivo que, para muitas pessoas, seria suficiente para que eles fossem sacrificados, mas a regra não se aplica à Vanessa. Ela os retirou das ruas e ofereceu o tratamento necessário para que eles tivessem, mesmo diante da deficiência, uma vida mais próxima do normal.

“Eles chegaram muito mal aqui em casa, com bicheira, problemas na coluna e prestes a serem sacrificados. Mas eu cuidei deles, gastei dinheiro em veterinário e agora eles estão bem. Fiz isso não por dó, mas porque eles merecem amor como qualquer outro cão. Só que a gente sabe que ninguém quer ter esse trabalho de cuidar de um cão cadeirante”, conta Vanessa, que tem outros animais especiais, como gatos e até uma calopsita que não tem mais uma das patas.

SP Sorocaba caes cadeirantes2

A jovem sabe que os cuidados com bichos especiais é diferente do que com os demais, que não apresentam problemas físicos. Mas, mesmo assim, ela incentiva a adoção desses animais, porque, segundo ela, eles são muito mais amorosos. “Eles são diferentes, não sei explicar direito. É mais uma coisa de sentir o quanto eles retribuem esse amor a todo momento. Seja com um olhar ou com um carinho. Eu queria cuidar de todos os animais assim [especiais], só que só tenho duas mãos e eles precisam de atenção mais exclusiva”.

SP Sorocaba caes cadeirantes3

Por pensar assim, Vanessa criou uma página em uma rede social com o objetivo de incentivar que outras pessoas adotem animais especiais. Na página, ela ensina como é o trato com eles. “Dou dicas de cuidados e tudo mais. Mostro como colocar uma fralda, como fazer curativo e falo o que pode ou não usar. Faço, inclusive, alguns vídeos para tornar mais fácil o aprendizado das pessoas ao lidar com animais cadeirantes”, conta a jovem.

Além de Rafaela, Fox e Chico Bento, a universitária ainda cuida de outros animais especiais, como um cachorro da raça pit bull que tem problema no olho e, por isso, não consegue enxergar muito bem; também de dois cães e dois gatos que não têm uma das patas, mas que conseguem se locomover sem precisar do uso de uma cadeira de rodas e, por fim, de um cão que sofre de artrite e outro de displasia.

Hotel para cachorro

Para manter os animais, principalmente os cadeirantes que requerem gastos a mais, até por conta do preço das cadeiras de roda, que variam de R$ 200 a R$ 2 mil, a jovem conta com a ajuda de muitos parceiros, que sempre lhe enviam medicamentos e ração.

Além disso, por cursar o último ano da faculdade de Veterinária, ela faz estágio em uma clínica da cidade e, assim, consegue descontos para que os seus bichos sejam tratados no local.

Mas a principal renda da cuidadora vem do hotel para cachorros que ela montou dentro da sua própria casa. “É exclusivo para protetores, para pessoas que, como eu, resgatam animais das ruas, mas não têm como abrigá-los em suas próprias casas. Daí, o animal fica comigo e eu cobro uma diária para cuidar dele”.

SP Sorocaba caes cadeirantes4

As diárias variam de R$ 10 a R$ 20, dependendo do porte do animal. Além do pagamento das diárias, os verdadeiros donos ainda precisam fornecer mensalmente ração e, caso seja necessário, medicamentos para o bicho. “Muitos desses animais estão há anos comigo e, por mais que eu estejam aqui por causa do hotel, fazem parte da minha família”, frisa.

Para acomodar todos os animais, a universitária construiu um canil em casa, com a ajuda dos pais, que foram quem passaram esse amor pelos animais à filha, já que quando a universitária era criança eram eles que resgatavam animais das ruas. O canil construído foi dividido em cinco áreas, que foram adaptadas conforme a necessidade dos animais. Na área dos cadeirantes, por exemplo, Vanessa colocou piso antiderrrapante para facilitar a locomoção dos bichos.

Pedido de presente de aniversário

O amor de Vanessa pelos animais é tão grande que, todo ano, no mês do seu aniversário, ela faz uma campanha nas redes sociais para pedir presentes, não para ela, mas, sim, para os animais. “Eu sempre peço a doação de ração. Ano passado eu consegui uma tonelada de ração, fiquei com alguns sacos para mim, mas a maioria eu doei para outras entidades que, como eu, cuidam de animais”.

Neste ano, a jovem não conseguiu arrecadar a mesma quantidade de rações que do ano passado, mas ela não desanima. Para ela, o mais importante é fomentar a doação consciente, principalmente de bichos especiais. “As pessoas acompanham o meu trabalho pelas minhas redes sociais e, por isso, eu acabei virando um ponto de referência para animais especiais. O que é bom pra mostrar é possível ter um, sem precisar necessariamente sacrificar”, ressalta.

SP Sorocaba caes cadeirantes5

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.