Protetores acusam falhas no resgate de animais em Franca, SP

Protetores acusam falhas no resgate de animais em Franca, SP

SP franca 20150808011530 91883764

No dia 16 de maio, enquanto trabalhava em um estabelecimento localizado na avenida Adhemar de Barros, a atendente de farmácia Valéria Moraes, 19, presenciou o atropelamento de um cachorro. Preocupada com o animal, ela entrou em contato com o responsável pela empresa de captura animal, contratado pela Prefeitura para fazer esse tipo de atendimento, mas não foi bem recebida. 

Em março deste ano, a Prefeitura e a Unifran assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para atender os animais atropelados ou vítimas de maus-tratos. O acordo foi firmado com o Ministério Público.

“Eu não sabia a quem recorrer, era sábado à noite, por volta das 20 horas, fui muito mal atendida e ele simplesmente se negou a prestar socorro ao animal. Foi preciso um voluntário fazer o resgate e encaminhar o animal para a clínica”, completou.

O estudante Vinícius Assunção Silva, que no dia 27 de junho presenciou o atropelamento de um cachorro, também não contou com o respaldo da Prefeitura. “Era um sábado à noite e tentamos diversas vezes entrar em contato com o responsável por socorrer os animais. Mas, após várias tentativas, acabamos desistindo e buscando outra forma para ajudar o cão”, disse.

Vários protetores de animais confirmaram o problema no socorro prestado pela Prefeitura aos bichos atropelados. Entre as principais reclamações, estão a demora na resposta e a falta de atendimento. De acordo com os protetores, os animais chegam a ficar entre três e quatro horas esperando o socorro. 

Mesmo ciente das reclamações, o diretor de Vigilância Municipal em Saúde de Franca, José Conrado Netto, disse que o trabalho é realizado de “forma satisfatória” e contraria os fatos apontados.

Convênio

Apesar de o convênio garantir que 6 animais poderiam ser atendidos por dia – 2 de pequeno porte, 2 de grande porte e 2 selvagens -, apenas 13 animais foram encaminhados para a universidade entre março e junho. 

Considerando os dias úteis nesse período, pelo menos 166 animais de pequeno porte poderiam ter recebido atendimento através do convênio.

Segundo Conrado Netto, a justificativa para a pouca utilização dos atendimentos é que somente os casos mais graves seriam encaminhados para a Unifran. 

Somente no primeiro semestre deste ano, foram registradas 920 reclamações na Sala de Proteção Animal. Destas, 632 eram referentes a denúncias de maus-tratos e abandono e 83 por atropelamentos. 

Dos 83 animais de pequeno porte atropelados, 29 foram atendidos no próprio canil, 12 foram encaminhados para a Unifran, 7 socorridos pela população e 35 morreram antes do atendimento.

Proteção Animal

Quando presenciarem o atropelamento ou maus-tratos de animais, as pessoas devem entrar em contato com a Sala de Proteção Animal da Prefeitura de Franca, através do telefone (16) 3711-9448, em dias úteis durante o horário comercial. Ou então pelos telefones (16) 99281-9572 e (16) 99997-7210, que funcionam 24 horas por dia, todos os dias da semana, incluindo fins de semana e feriados.

Fonte: GCN

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.