Protetores denunciam maus-tratos de animais em Congonhas, MG

Protetores denunciam maus-tratos de animais em Congonhas, MG

MG congonhas cadela-agredida

Protetores denunciam que em Congonhas os animais continuam sendo vítimas de maus-tratos. Pelo menos três casos, com maior gravidade, foram tornados públicos nos últimos três meses, chamando a atenção de quem atua na proteção deles.

“Teve um cão queimado vivo que morreu, outro que foi queimado com água fervendo e por último esse que teve o pescoço quase decepado”, relatou ao Fato Real, Márcio Alexandre, vice-presidente da Associação Protetores dos Animais de Rua de Congonhas.

O último caso aconteceu no dia 16/11 em Joaquim Murtinho. Segundo relato dos protetores dos animais, uma cadela invadiu a casa do vizinho, comeu algumas codornas que estavam soltas em seu quintal, que é aberto. Em reação ao ataque da cadela ela foi agredida com dois golpes violentos de facão no pescoço, que quase deceparam sua cabeça.

No dia seguinte a ONG foi acionada e uma rede de proteção e cuidados foi formada para cuidar da saúde do animal, que sobreviveu. “Foram 300 pontos que deram no ferimento, cortou nervos, tendões e músculos e, para piorar, ela está prenha . Acho que só sobreviveu porque é uma vira-lata mesmo, porque quando levou os golpes de facão, saiu rolando, gritando, sangrando muito e parou debaixo de uma construção, onde ficou imóvel até o socorro chegar no dia seguinte. A ONG já está tomando todas as providências de praxe em mais esse caso cruel com cães”, informou Márcio Alexandre.

Em Lafaiete

Em Lafaiete também há relatos de casos de maus tratos de animais. Nesta semana a veterinária Carla Sássi denunciou que uma cadela jovem foi morta enforcada em um local e amarrada em uma árvore. O caso ocorreu no bairro Amaro Ribeiro, onde é comum serem realizados alguns rituais, o que leva a interpretação de que o animal possa ter sido usado em sacrífico.

A polícia está investigando e já tem um suspeito.

Fonte: Fato Real

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.