Protetores Promoverão 1ª Marcha em Prol aos Direitos dos Animais em Catanduva, SP

Protetores Promoverão 1ª Marcha em Prol aos Direitos dos Animais em Catanduva, SP
MARCHA em prol aos animais será realizada no dia 17 de março, às 9h, na Matriz. (Foto: Divulgação)

Protetores promoverão a 1ª marcha em prol aos animais carentes em Catanduva. A ação será no dia 17 de março, às 9 horas, na Praça da Matriz. O evento é aberto a todos os interessados que amam animais. Na ação serão abordados os direitos dos animais, adoção consciente, veganismo e vegetarianismo. Os manifestantes pretendem percorrer ruas nos centros da cidade. A organização estima que mais de 50 protetores participem.

“Pedimos que entidades, ONG’s e protetores participem da ação em prol dos animais. Todas as pessoas que amam os animais podem comparecer que será uma ação inédita em nossa cidade. Tudo pensando nos animais”, informa Paulo Rogério Ferro organizador do evento.

Ferro é protetor de animais há cinco anos e sabe da dificuldade que é realizar ações voltadas para os animais carentes.

“Eu participei em uma marcha em São Paulo e quis trazer ela para Catanduva. Porque a gente que ama os animais, nós sabemos das dificuldades que encontramos. Principalmente sobre adoção. Muitas pessoas adotam e depois abandonam. Temos que conscientizar um maior número de pessoas possível”, frisa.

Os protetores também reivindicam punições mais severas para crimes contra animais.
Os animais de rua estão amparados de acordo com leis, municipal e estadual. A Lei Estadual 12.916/2008 oferece ao cão comunitário moradia e condições de sobrevivência. Já a Lei Municipal 5.718/2015 artigo 29 determina que “entende-se por maus tratos contra animais toda e qualquer ação decorrente de impudência, imperícia ou ato voluntário e intencional, que atende contra sua saúde e necessidades animais naturais, físicas e mentais”, diz a Lei.

A lei ainda punirá o autor de qualquer tipo de ameaça ao animal.

A Lei de Crimes Ambientais (9.605/98) define como crime os maus-tratos a animais com pena de três meses a um ano de detenção e multa.

Por Karla Sibro

Fonte: O Regional 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.