Província na Índia parou com a matança de cães para consumo de carne após a pandemia de coronavírus

Província na Índia parou com a matança de cães para consumo de carne após a pandemia de coronavírus
Imagem representativa. Foto: iStock Photo

Mas os ativistas dos direitos animais dizem que esta ação não é suficiente e agora querem medidas para terminar completamente com a venda e o consumo de carne de cachorro.

O governo de Mizoram, Índia, retirou recentemente os cachorros da lista de animais permitidos para abate ao aceitar uma emenda ao Ato de Abate Animal de Mizoram, de 2013.

Mas os ativistas dos direitos animais dizem que esta ação não é suficiente e agora querem medidas para terminar completamente com a venda e o consumo de carne de cachorro, a fim de prevenir a disseminação de doenças endêmicas como o coronavírus.

Ao receber o movimento recente da Assembleia de Mizoram, a organização de direitos animais Humane Society International (HSI) da Índia disse no último dia 24 que o governo estadual deve agora agir duramente para acabar de vez com a venda e o consumo de carne de cachorro.

“Isto acontece num momento em que o mundo enfrenta uma pandemia que se acredita ter sido causada pelo tráfico e o consumo de animais silvestres. Em Mizoram testemunhamos cachorros e outros animais serem transportados e abatidos em condições terríveis, o que viola as regulamentações de saúde da Índia,” disse Alokparna Sengupta, diretor gerente da HSI/Índia.

A venda e o consumo de carne de cachorro estão descontrolados, já que o Ato de Abate Animal de Mizoram de 2013 classificava os cachorros como gado e permitia sua matança mesmo que isto fosse proibido pelo ato de direitos dos animais do país.  Este fato levou o Conselho de Bem-Estar Animal a advertir o governo do estado de que iria acionar a justiça em busca de uma emenda ao ato que ele considerou “um princípio ilegal e inconstitucional”. O consumo de cachorros é proibido pelas regulamentações de segurança alimentar da Índia.  No entanto, isto é muito pouco fiscalizado e milhares de cachorros são capturados ilegalmente das ruas ou roubados de suas casas todos os anos, amontoados em sacos de juta com suas bocas costuradas ou amarradas, e transportados por muitos dias pelos distritos de Mizoram. Há relatos de animais que são transportados para países vizinhos como Mianmar e Bangladesh.  O transporte cruel e o abate de cachorros violam várias disposições do Ato para Prevenção da Crueldade aos Animais, de 1960, do Código Penal indiano, e violam igualmente os regulamentos da Autoridade de Segurança e Padronização Alimentar (FSSAI), afirmou a ONG. A HSI/Índia, que já foi membro do Conselho de Bem-Estar Animal do Estado de Mizoram, tem trabalhado para terminar com o tráfico de carne de cachorro em Mizoram desde 2016.  Ela também ajudou no resgate de mais de 150 cachorros do tráfico brutal.

Cerca de 30 milhões de cachorros e 10 milhões de gatos são mortos por ano em toda a Ásia para consumo humano, sendo que o tráfico é mais intenso na China, na Coreia do Sul, Indonésia, Camboja, Laos, Vietnam e partes do norte da Índia.  Entretanto, Hong Kong, Filipinas, Taiwan, Tailândia e Singapura proíbem a carne de cachorro, disse a ONG.

Por Sumir Karmakar / Tradução de Sônia Zainko

Fonte: Deccanherald