Qual é a alternativa aos abrigos de cães e gatos?

 

As Casas de Passagem diferem dos abrigos primeiro porque os animais recebem uma atenção individualizada que dificilmente teriam num abrigo com 50, 100 ou 1000 animais. Depois, porque o alto custo para a manutenção deste animais acaba sendo diluído entre estes diversos protetores, os veterinários que atendem seus animais e outros, não ficando um pesado encargo concentrado numa só pessoa ou instituição, fato que normalmente inviabiliza o trabalho de proteção e causa sério problemas aos animais, que deveriam estar sendo protegidos.

Os abrigos comumente tem um efeito deseducativo, pois dão margem a que as pessoas se livrem dos seus animais, ao saberem que haverá quem lhes dê guarida, eximindo-se assim da própria responsabilidade sobre eles.

As Casas de Passagem formam uma grande rede, atendendo principalmente os animais da região onde se localiza cada uma delas, proporcionando assim uma abrangência que um trabalho centralizado não conseguiria ter.

O trabalho pelos animais abandonados deve ser sempre equilibrado, para que esta assistência não se transforme num grande problema para o protetor e para o animal.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.