Quase 400 cães e gatos foram castrados gratuitamente em Teresina, PI

Quase 400 cães e gatos foram castrados gratuitamente em Teresina, PI
Castração de cães e gatos (Foto: Divulgação/Internet)

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) e a Universidade Federal do Piauí (UFPI) realizaram no primeiro semestre de 2016 o total de 381 castrações gratuitas em cães e gatos pertencentes a pessoas de baixa renda. A FMS assinou Convênio com o Hospital Veterinário da UFPI objetivando a realização de 80 castrações/mês.

Dados demonstram que somente 4,75% dos animais cadastrados na Gerência de Zoonoses da capital não foram castrados no período de março a julho. “Os proprietários não capturaram ou contiveram os animais no momento de levar ao Hospital Veterinário, conforme o prévio agendamento, o que impossibilitou de realizarmos o procedimento de castração”, explica a veterinária Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses de Teresina.

Ela fala ainda que o principal benefício da castração é o controle reprodutivo dos animais. “O principal é que com a castração evitamos a procriação não planejada de cães e gatos, como também o abandono por proprietários que não têm condições de criar”, esclarece Oriana.  A gerente destaca ainda que o procedimento auxilia na redução do risco de transmissão de zoonoses, pois animais sem tutor não têm o manejo veterinário apropriado, podendo assim transmitir doenças como a leishmaniose e ectoparasitas como pulgas, carrapatos e sarnas.

A saúde dos animais também é beneficiada. No caso das fêmeas, a castração previne a formação de problemas em nível de sistema reprodutor, como tumores de mama. A remoção dos ovários também evita que ela entre no cio, tente sair de casa para a reprodução e corra riscos como atropelamento ou envolvimento com brigas com outros animais. Já o macho geralmente fica mais tranquilo e reduz ações como a marcação de território por meio da urina.

“As cirurgias de castração acontecem no Hospital Veterinário Universitário aos sábados e domingos de acordo com agendamento prévio após cadastro da família do animal junto à Zoonoses”, informa Oriana Bezerra.

O dono do animal que desejar realizar o procedimento de cadastro para a castração precisa se dirigir até a Gerência de Zoonoses portando RG, CPF, comprovante de residência e algum comprovante de situação de vulnerabilidade. Oriana lembra que a pessoa não precisa levar o animal até a Gerência de Zoonoses para fazer o cadastro, apenas documentos.

A prioridade é para famílias com até um salário mínimo; as que estão em situação de vulnerabilidade social (falta de saneamento básico, moradia inadequada, desemprego e em áreas de situação de risco epidemiológico) e as inscritas em programas sociais do Governo Federal (Bolsa Família, Passe Livre, Tarifa Social de Energia, Minha Casa Minha Vida, PETI, Projovem Adolescente, outros). Idosos e/ou portadores de necessidades especiais também são prioridade no programa de castração, além de famílias de áreas consideradas prioritárias conforme analise técnica da Zoonoses.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.