Quatro anos após morte da tutora, cãozinho permanece em cemitério de Mogi Guaçu (SP): ‘Ele é importante para nós’

Quatro anos já se passaram e Zé Rico, antes conhecido como Amarelo, permanece andando pelo cemitério de Mogi Guaçu (SP). O cãozinho era mais um dos vários companheiros de Diva Batista Bueno, catadora de recicláveis, que faleceu em abril de 2014. Funcionários do local e moradores da cidade já “adotaram” o animal e cuidam dele diariamente.

VÍDEO: Quatro anos após morte da tutora, cãozinho permanece em cemitério de Mogi Guaçu

A aposentada Dina Luiza Paiva conheceu Zé Rico durante uma caminhada. “Eu cuido bem dele, às vezes eu acordo quando está chovendo e fico pensando: ‘Como será que tá aquele cachorro no cemitério?'”, relata.

Com saudades da tutora, Zé caminha pelas lápides e participa da rotina de trabalho de vários funcionários do cemitério. “Todos os enterros ele está aqui”, conta Arnaldo Brandão.

Adoção

Os amigos de Zé iniciaram uma campanha para encontrar um novo tutor para o cãozinho. Sem poder levar o animal para casa, Dina se emociona ao falar da situação de abandono dele.

“O pessoal só sabe procurar cachorrinhos de raça e não olha para esses aqui com fome. Ele é importante para nós”, conta emocionada.

Arnaldo confia que um tutor vai aparecer para Zé Rico e ele finalmente terá um novo lar. “Vai aparecer sim. Quem sabe não aparece alguém que cuide dele melhor do que a gente”, conta o funcionário.

Zé Rico mora há quatros anos em cemitério de Mogi Guaçu (SP) e espera por adoção (Foto: Toni Mendes/Reprodução EPTV)
Zé Rico mora há quatros anos em cemitério de Mogi Guaçu (SP) e espera por adoção (Foto: Toni Mendes/Reprodução EPTV)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.