Quatro estudantes de medicina na Índia foram suspensos por torturarem brutalmente e matarem um macaco

Quatro estudantes de medicina na Índia foram suspensos por torturarem brutalmente e matarem um macaco
Foto: com propósito representativo

Compaixão é a palavra que inspira aspirantes à medicina a trabalharem pesado para conseguir um dia o jaleco de médico e viver uma vida dedicada a curar os doentes e os fracos. Entretanto, quando se trata de animais, alguns médicos parecem ter tal compaixão em falta, conforme um segundo incidente nos últimos tempos sugere.

Quatro estudantes da Faculdade Médica Cristã (FMC) em Vellore, na Índia, foram suspensos no último dia 23 pela administração por supostamente terem torturado um macaco até a morte dentro do campus.

Jasper Samuel Sahoo, Rohit Kumar Yenukotti, Arun Loui Sasikumar e Alex Chekalayil – de classes diferentes – foram suspensos pelo ato brutal. Confirmada a suspeita, a diretora da FMC, Anna Pulimood, disse ao jornal Express que a faculdade não irá tolerar tal ato.

“A investigação do comitê interno encontrou os quatro estudantes culpados. Estamos verificando e lidando com isto seriamente”, a diretora disse, acrescentando que eles estão prontos para cooperar por completo com os investigadores. O incidente veio a público quando Azar, um ativista animal baseado em Mumbai, recebeu uma ligação de um dos estudantes que declarou que um macaco foi torturado e morto por estudantes de medicina no último dia 19.

O corpo do animal foi enterrado atrás da cantina. Azar alertou ativistas baseados em Chennai, que fizeram uma denúncia contra os quatro estudantes na polícia de Bagayam.

Foi aberto um processo contra os quatro estudantes acusados e eles foram presos no último dia 24. O ativista dos direitos dos animais, Nishant Ravi, contou ao jornal Express que a carcaça do macaco foi exumada. “A autópsia revelou que o pescoço, mãos e pernas do animal foram amarrados com um arame. Nós observamos fraturas no joelho, pescoço e tornozelo do macaco, indicando que ele sofreu crueldade. A pior parte foi que seu pescoço foi perfurado com um objeto afiado”.

“O ferimento tinha marcas de entrada e de saída, apontando que o objeto penetrou por trás e saiu pela parte da frente do pescoço”, ele acrescentou. O reitor da FMC, Sunil Chandy, disse que eles emitiram uma advertência rigorosa para todos os estudantes. “Estamos chocados com o acontecido. Nossa faculdade possui um campus amigo dos animais”.

“E continuará a ser dessa forma”, ele reiterou. Alguns meses atrás, dois estudantes de medicina ficaram conhecidos após um vídeo deles torturando um filhote de cachorro e jogando-o pelo terraço ter se tornado viral em sites de mídia social. O cão foi resgatado depois por ativistas de direitos dos animais e recebeu tratamento.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.