Quatro homens são presos suspeitos de envenenar, matar e desmembrar leões em Uganda

Quatro homens são presos suspeitos de envenenar, matar e desmembrar leões em Uganda

Os suspeitos foram presos na noite desta segunda-feira (22) e levaram os policiais a um local onde as cabeças decapitadas de quatro leões e outras partes de corpos dos felinos estavam escondidas.

Garrafas de veneno, lanças, um facão, uma rede de caça e uma lata de óleo de gordura de leão de dois litros foram encontrados escondidos no jardim da casa de um dos suspeitos, disse a Autoridade de Vida Selvagem de Uganda (UWA).

“Asseguramos ao público que continuaremos a fortalecer a proteção de leões e outros animais selvagens em Uganda e continuaremos com este caso até que a justiça para os leões mortos seja feita”, disse o gerente de comunicações da UWA, Bashir Hangi, em um comunicado.

“Nossos parques nacionais permanecem seguros e atraentes para os visitantes e ainda temos leões no Rainha Elizabeth e em outros parques”, completou Hangi.

Leão na natureza, em Uganda. Foto / Rod Waddington

No sábado (20), a UWA anunciou que seis leões haviam sido encontrados mortos no parque com a maior parte de seus corpos desaparecidos e cercados por urubus mortos. Os indícios apontavam para um crime realizado com o uso de veneno.

A descoberta sombria elevou para 22 o número de leões mortos por suspeita de envenenamento desde 2010 no parque Rainha Elizabeth, um dos mais famosos de Uganda, onde os grandes felinos são conhecidos por sua habilidade incomum de subir em árvores.

Apesar da possível prisão perpétua em Uganda para caçadores ilegais que negociam partes de animais, a execução desta pena é bem rara.

Um especialista em crimes contra a vida selvagem disse à AFP que membros de alto escalão do mercado negro de animais frequentemente subornam para fugir de problemas, deixando apenas infratores de menor escalão para enfrentar o tribunal.

Ossos de leão são frequentemente enviados para a Ásia – em particular para o Vietnã e a China – onde são usados ​​para fazer vinho que os consumidores acreditam ter poderes mágicos.

O turismo é uma importante fonte de renda em Uganda, contribuindo com quase 10% do PIB nacional e 23% do total das exportações estrangeiras, de acordo com a UWA.

Fonte: Defesa

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.