Quatro são presos em operação contra o tráfico de animais silvestres em Praia Grande, SP

Quatro são presos em operação contra o tráfico de animais silvestres em Praia Grande, SP
Operação mobilizou ao menos 50 agentes de quatro órgãos diferentes (Fotos: Carlos Nogueira/A Tribuna)

Quatro pessoas foram presas pela Polícia Federal em Praia Grande, nesta segunda-feira (6), acusadas de tráfico de animais silvestres. Ao todo, 12 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça, foram cumpridos em residências no Bairro Jardim Anhanguera. Balanço inicial indica o resgate de mais de 40 animais.

A Operação Bem-Te-Vi é resultado de dois meses de investigação e foi deflagrada no início da manhã em endereços na Avenida Filomena Mustach. Além da PF, participaram agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), soldados da Polícia Militar Ambiental e fiscais da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

Balanço prévio até as 10h30 indicava o resgate de ao menos 40 animais silvestres. Entre eles, há espécies em extinção, como a jiboia arco-íris (Epicrates cenchria assisi) e aves das espécies azulão (Cyanocompsa brissoni) e pixoxó (Sporophila frontalis), segundo o chefe do Ibama em Santos, Fabio Zucherato. A equipe do órgão também apreendeu anilhas falsificadas.

O caso mais grave envolveu a prisão de um rapaz de 20 anos. Ele foi flagrado na própria residência com 18 animais, entre eles 11 lagartos teiú (Tupinambis) e uma tartaruga mordedora (Chelydra serpentina), nativa dos Estados Unidos.  Algumas espécies são exóticas, isto é não existem na fauna brasileira. Ainda não se sabe como ele adquiriu os bichos.

Lagartos e uma tartaruga exótica foram encontrados na operação

O rapaz é ex-militar do Exército Brasileiro. Com ele havia munição de fuzil e, segundo as autoridades, ele as extraviou enquanto servia na Fortaleza de Itaipu, no Canto do Forte. A mãe dele, que não quis se identificar, afirmou ele não traficava os animais, mas apenas os guardava em casa – o que já caracteriza crime.

O delegado da Polícia Federal Dirceu Lopes, responsável pela operação, explicou que o trabalho foi resultado de denúncias e de investigação conjunta dos órgãos federal e estadual. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Federal de São Vicente, após comprovação de que nos endereços eram guardados animais.

Os detidos são decorrência dos flagrantes e foram encaminhados paras as delegacias da Polícia Federal em Santos e da Polícia Civil, em Praia Grande. Além da eventual detenção, eles serão multados pelos crimes ambientais. Pelo menos 50 agentes participam da ocorrência, cujo balanço será divulgado ao final do dia.

Gaiolas foram apreendidas durante a operação no Jardim Anhanguera

Por José Claudio Pimental

Fonte: A Tribuna 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.