Canada Ontario visons soltos fazenda

Quinhentos visons são libertados de fazenda por ativistas no Canadá

Por Nicole Thompson / Tradução de Cláudia Maria Almeida

A polícia está investigando o que chama de ato de vandalismo – e o que um porta-voz da fazenda está chamando de ato extremista pelo direito dos animais – depois que em torno de 500 visons foram soltos no sudoeste de Ontário durante a noite de 30 de abril.

Cedo na manhã de sábado, a Polícia da província de Ontário foi chamada à fazenda do Condado de Brant, Ont. Ela havia sido invadida – buracos foram cortados na parede e os visons que estavam dentro foram soltos, dizem os investigadores.

“Parece ser um ataque organizado por extremistas dos direitos dos animais que tem atacado muitas fazendas no sul de Ontário nos últimos anos”, disse Nancy Daigneault, vice-presidente da International Fur Federation (Federação Internacional de Peles). “Eles invadem uma fazenda à noite e abrem todas as gaiolas para liberar os visons”.

Daigneault disse que ano passado um grupo de direito dos animais que se auto identificou fez ameaças contra a fazenda. Ela disse que as ameaças foram relatadas à polícia.

Mas a polícia não diz se há alguma coisa que sugira o envolvimento de ativistas nesse caso.

O dono da fazenda se negou a dar entrevista, mas disse que Daigneault era sua porta-voz.

A fazenda afetada é uma das, aproximadamente, 300 fazendas de pele no Canadá, de acordo com a agência de estatística dos Canadá, e a pele de vison é a mais cultivada popularmente.

Daigneault disse que a maioria dos animais foi recuperada, mas muitos deles tinham dado cria recentemente. Os recém-nascidos, chamados kits, foram separados de suas mães, diz ela.

O policial da província, Ken Johnston, disse que não há garantias de que os bebês seriam capazes de achar seus caminhos de volta para suas mães para a amamentação, e Daigneault acrescentou que, mesmo se conseguissem, não há garantias de que os bebês sobreviveriam ao trauma da separação.

“O fazendeiro está dizendo que acha que eles devem perder três-quartos dos filhotes”, diz Johnston. “eu acho que quem quer que seja o responsável, isso deve pesar bastante em sua consciência.”

A polícia continua sua investigação e está pedindo a qualquer um com informações para se apresentar.

Fonte: CP24 

Nota do Olhar Animal: Chega a ser um sarcarmo chamar de “ato extremista”, no sentido mais pejorativo possível, a ação dos que salvam animais de serem esfolados para que suas peles satisfaçam a futilidade humana. E o extremismo (aí sim) dos exploradores para satisfazer sua ganância por dinheiro não é assim classificado.

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.